A História dos Animes no Brasil – Parte 2: A decadência

Por Eder Rodrigues em

ANMTV / Divulgação

Os animes… Ah os animes. Quem nunca viu, que atire a primeira pedra. Por mais que alguém diga que nunca viu, com toda certeza já ouviu falar em algum dos grandes sucessos que este produto japonês nos proporcionou. Nesta segunda parte da “Breve História dos Animes no Brasil”, falaremos dos motivos nos quais tivemos uma grande queda desse conteúdo no mercado brasileiro. Por quais motivos as emissoras deixaram de apostar nos animes? Essas indagações serão respondidas neste artigo. Lembrando que no final desse artigo, deixarei um desafio para vocês leitores, pois tudo dependerá de vocês, então leia até o final para poder entender.

No artigo que escrevi na semana passada, que você pode ler clicando aqui, falamos um pouco, não detalhando muito a fundo sobre a chegada dos animes no Brasil. E, muitas pessoas nos comentários disseram que eu esqueci de citar alguns dos animes que marcaram época por aqui, como Dragon Ball no SBT e posteriormente na Globo. Tivemos Yu-Gi-Oh na Nickelodeon, na PlayTv e também na Globo. Dragon Quest, (o jogo que não deixa o Toshihiro Togashi terminar de escrever Hunter x Hunter), que teve anime aqui no Brasil, de nome Fly o Pequeno Guerreiro. Naruto no SBT e no Cartoon Network, enfim. Tivemos inúmeros animes que tiveram sua grande importância em nossas vidas, quando fomos iniciados neste mundo fantásticos dos animes. É difícil citar todos aqui, porém calma galera, pois temos surpresas vindo por aí. Só aguardem.

Bom, depois do auge dos animes na década de 90 e até meados dos anos 2000 no Brasil, houve uma queda gradativa de animes, tanto na TV aberta quanto na TV por assinatura. Aí você pode estar se perguntando: “Mas Éder por que isso aconteceu?”. Bem, alguns fatores influenciaram nesta queda, como por exemplo a famosa e famigerada classificação indicativa. Para quem não sabe, a classificação indicativa é uma informação dada para as famílias sobre seus conteúdos, classificando-os por faixa etária. “Mas o que tem haver isso, com a “saída” dos animes na TV“, você deve estar se perguntando caro leitor. Bem acontece que essa classificação indicativa, determinava em quais horários determinados programas poderiam ser exibidos.

Aqui no Brasil existem 6 tipos de classificações: o Livre, que é destinado a todos os tipos de público e pode ser exibido em qualquer horário. O não recomendado para menores de 10, que é destinado a um público um pouco mais jovem, mas que pode também ser exibido em quaisquer horários. Aí vem Não recomendado para menores de 12 anos, que por conter  cenas de violência, presença de sangue e afins, só pode ser exibido depois das 20h da noiteNão recomendado para menores de 14 anos, são obras que contém morte explícita, preconceito, relações sexuais e afins e só podem ser exibidas após as 21h da noite. O próximo é não recomendado para menores de 16 anos, que são obras que por conter exploração sexual, suicídio, violência gratuita e afins, só pode ser exibida após as 22h da noite. E por fim, mas não menos importante, temos não recomendado para menores de 18 anos, que é são obras que contém violência de forte impacto (tortura, mutilação, desmembramento, gore); elogio ou apologia da violência; crueldade; crimes de ódio; aborto; pena de morte; eutanásia; e afins, só pode ser exibida após as 23h da noite.

E estes termos de classificação foi um dos motivos nos quais os animes basicamente saíram da TV aberta, pois basicamente os animes que nós tanto admiramos e gostamos, possuem cenas de violência, evidentemente. Podemos citar aqui inúmeros exemplos, como Cavaleiros do Zodíaco, onde tínhamos cenas de lutas, as quais voava sangue, personagens feridos e/ou mutilados durante as batalhas. Também em Dragon Ball clássico, existiam cenas de nudez e tal. Naruto, com suas clássicas lutas ninjas, até mesmo situações bastante pesadas, como quando o Sasuke cheio de Kunais encravadas em seu corpo, nos primeiros episódios do anime já continham cenas com bastante presença do sangue, enfim. Esses foram alguns exemplos de anime nos que admiramos muito, estes tiveram que sair da programação das emissoras, ou quando eram exibidos no horário da manhã, teriam que ser cortado as partes mais violentas, para se adequar ao horário de exibição.

Por mais que esses animes fazem grande sucesso perante ao público, eles só poderiam ser exibidos, após as 20h da noite. E isso se tornou inviável para as emissoras de TV aberta, pois a grade da noite era preenchida basicamente por telejornais e novelas, até hoje, carro chefe das  principais emissoras de TV aberta e consequentemente de maiores audiências. Era basicamente impossível elas exibirem em horário nobre, pois comparando as audiências entre novela e animes, o maior retorno seria na primeira opção, tanto financeiramente e na audiência, pois ambos impactam um ao outro.

“Mas como assim Éder,? A classificação indicativa existe desde 1990, por que somente a partir de meados dos anos 2000 que isso chegou com mais vigor?”. Boa pergunta, mas eu tenho uma possível resposta para ela. Basicamente era uma época diferente. Naquela época, não existia o chamado hoje em dia do “Politicamente Correto”, sendo assim, programas que tinham violência, sangue e afins, não eram barrados pelo Ministério da Justiça. Após os anos 2000, o advento das comunicações mais acessíveis por assim dizer, ressoou nos animes, pois reclamações de pais sobre este tipo de conteúdo se tornaram mais frequentes e consequentemente as pessoas que trabalham nesta área da Classificação Indicativa, resolveram impor regras e diretrizes para exibição de determinada obra. E assim, foi basicamente decretada, o fim dos animes na TV aberta, pelo menos nos principais canais como Globo, Record, SBT, Band e RedeTV. Mas e na TV por assinatura? Por que houve essa queda vertiginosa de animes em exibição? Bem galera, irei ter que deixar este ponto para um próximo artigo, pois infelizmente este, já está bem longo, e ficaria massivo demais continuar.

Mas lembram do desafio que falei no inicio deste artigo? Pois bem, este desafio depende de vocês. A primeira parte da Breve História dos Animes no Brasil, teve ao todo 80 curtidas em nossas redes sociais e 61 comentários no artigo anterior. Se você gostaria de ler uma terceira parte, precisam bater esta meta. Então se tiver mais de 100 curtidas nas nossas redes sociais e mais de 60 cometários neste artigo, na próxima semana faremos a terceira. Comentem e curtam na segunda parte que estará nas nossas redes sociais. Lembrando que, é preciso ter mais de 100 curtidas nas redes sociais do ANMTV e mais de 60 comentários neste artigo aqui, beleza? Até quarta feira, se bater esta meta, falarei mais do assunto. Então vão lá embrazados.

Comentários
  • Eduardo

    Hoje essa lei de classificação indicativa para certos horários foi derrubada na TV aberta. Eles podem exibir por exemplo, um conteuco com classificação 14 nos horários da manhã e tarde.

    • Haruboy

      Sim, faltou falar que essa obrigatoriedade foi derrubada pelo STF em 2016, fazendo dessa Classificação uma classificação realmente indicativa e não semi-proibitiva e impositiva como era antes. Para se ter ideia da importância dessa medida, ela permitiu, por exemplo, que os animes da Rede Brasil pudessem ser exibidos na faixa das 20 horas.

      • eder rodrigues da conceição

        A importância da derrubada da classificação indicativa foi importantíssima, porém como falei, se eu colocasse esta informação aqui, iria confundir um pouco o nosso público. Resolvi ser sucinto, e ao mesmo tempo explicativa para entendimento do maior número de pessoas.

      • Cevert

        Exato! Não podia ter sido mais preciso. O que prova a nocividade estatal na vida e na economia. Mas a Rede Brasil só se prejudica por falta de divulgação dos animes. Nem na internet eles investem nisso, pelo menos não aonde deveria.

        • A questão da Rede Brasil vai muito além da falta de divulgação (ou divulgação de baixa eficácia, se preferir).
          Em síntese, já é uma emissora que nas melhores condições teria uma audiência limitada, a ponto de nem os peoplemeters do Kantar IBOPE apontarem alguma coisa mais relevante.

    • eder rodrigues da conceição

      Sim, Eduardo, essa informação eu havia visto e lido a respeito, porém era “desnecessário” colocar neste artigo, pois como falei, o intuito do texto é falar sobre a queda dos animes na TV aberta. Se colocasse esta informação aqui, iria confundir o público para melhor entendimento. Fora que, por mais que esta informação seja importante, as grandes emissoras de TV aberta no país, não irão colocar animes em sua programação, pois não é rentável e o nicho é bem específico. E a audiência flopa muita das vezes, vide Verão Animado na Band.

      • Leon AinsWorth

        Hoje em dia só são exibidos animes do estilo kodomo na tv aberta bem leves ou pra vender brinquedos mesmo sem comercias como são os casos de beyblade burst, Doraemon, Super Onze etc que estão presentes no bloco verão animado mas já é alguma coisa para aquela parcela da população que não possui sequer Internet em casa.

  • Alex Souza

    A censura passou a ficar bem forte no Brasil à partir do lançamento do filme de Yugi-oh! nos cinemas (Yu-Gi-Oh! O Filme: Pirâmide de Luz).

    • João Carlos

      Porque? Tem algo tão chocante no filme assim? :v

      • eder rodrigues da conceição

        Não é que seja algo chocante, porém quando mexemos em religião, sobre Deus e adjacências, muitas pessoas se sentem ofendidas. E aí que começa todo problema e as críticas.

      • Mestre Kame

        No filme o vilão Lúcifer queima uma bíblia.

    • Rafael Nogueira

      Tem aquele filme dos Cavaleiros do Zodíaco também que envolveu religião.. Guerreiros do Armagedom, algo assim…

    • eder rodrigues da conceição

      Pois é. A famosa era do politicamente correto.

  • Ademilson Molotrovik

    Nao adianta as leis das classificações indicativas serem derrubadas na tv aberta. Tanto Globo quanto qualquer outro canal da muita atenção ao politicamente correto, principalmente a globo. E esperar a globo passar qualquer anime no horário nobre é piada todo mundo sabe. Animes “Violentos na tv aberta” já era. Isso é fato.

    • Nero ZeroX

      A tv aberta quanto a tv fechada estão vivendo a sua queda…diante da internet e afins..eles estão enfrentando a evolução, da mesma forma que foi rádio X tvs e afins…Off.: uma emissora que não tem respeito pelas famílias, pelo país, pelas tradições e afins,de credibilidade duvidável ,mercenária,manipuladora,hipócrita e afins merece mais que definhe…tenho pena daqueles que dependem dessa ou daquela emissora para trabalhar…mais eles viram o que deu na última eleição…Off.: Não me interessa quem ganhou a eleição (seja quem for merece ser respeitado e não ficar com picuínhas, boatos e afins), e acima de tudo o que me interessa é um país melhor, um mundo melhor para poder criar essa nova geração que irá nos suceder…chega destes -ismos, -istas e outros…

    • eder rodrigues da conceição

      Exato. A chance disso acontecer de os animes voltarem na TV aberta em horário nobre é quase nula. Impossível nada é, mas as chances são mínimas.

      • Gabriel Arruda

        E que diferença vai fazer?Até a metade do século,ou no fim dele,os canais vão ruir porque os Streamings vão devorá-los.

  • Snow

    Naruto clássico so teve censura gráficas msm
    Por isso q na netflix ele está sem censura pq foi utilizado os vídeos originais pra adicionar o áudio BR
    E o shippuden nem teve censura ate onde foi dublado só teve aquilo de q na claro vídeo…netflix e play TV de n ter as prévias dubladas dos epspés em diante.
    Que nos dvds da play arte tem tudo dublado até o ep 96 já q n teve os 112 eps lançandos em dvd
    Deve q a play arte comprou como exclusivo isso das prévias dubladas
    Problema é q nunca teremos o resto já q play arte n deve lançar o eps faltante em dvd… O último ep do clássico 220 n tem prévia tbm (no caso prévia do shippuden)

    • eder rodrigues da conceição

      O que passou no SBT foi todo picotado para se adequar ao horário de exibição, assim como aconteceu com One Piece quando foi exibido por lá.

      • Snow

        Pse.
        Mas o bom q quando foi adicionado na netflix foi sem censura.
        Pq tem alguns animes tipo o dbs q precisaria ter um lançamento em dvd ou ir pra um streaming sem censura tbm

        • eder rodrigues da conceição

          A Netflix pegou a versão japonesa do anime e não aquela edição feita cheio de censura nos Estados Unidos.

      • Leon AinsWorth

        Uma plataforma que ganhou meu kokoro atualmente foi a GloboPlay pela Maravilhosa e Ótima dublagem da série Good Doctor .

        E por conta disto desejo e quero muito que eles consigam parceria com grandes distribuidoras de animes as mais chatas no caso como a Toei ,Funimation, Aniplex entre outras para assim termos a chance de poder ver My Hero Academia, Attack on Titan, Jojos Bizarre Adventures, Fairy Tail, Madoka Mágica e Sword Art Online dublados em português e como sei que eles fazem ótimas escolhas de estúdios de dublagem estes animes estariam em boas mãos.

        Na minha opinião Eder enquanto o Funimation Now e Hulu estão distantes da realidade streamistica brasileira ,serviços novos de streaming como GloboPlay e Play Plus só teriam a ganhar com isso e geraria mais concorrência com gigantes como Netflix e quem sabe até forçando a mesma a MELHORAR a qualidade das suas dublagens de anime ehehehhe

        Finalizando aqui se serviços como Amazon Prime Vídeo e HIDIVE investirem em animes com dublagens de QUALIDADE nos trazendo por exemplo Cutty Honey Universe , Luluco , Banana Fish , Karakuri Circus e Dororo com certeza teriam mais assinantes no Brasil e não estariam a beira do flop.

  • Joao Carlos Loyola

    Claro que quero mais deste tipo de artigo, mas uma dica se não for muito trabalhoso, seja um pouco mais investigativo, no sentido de montar um cenário onde que as principais emissoras fizeram com a grade infantil, ser mais criticável a respeito do que argumentou neste texto da Era do Politicamente Correto , algo mais voraz,intuitivo, que por mais que seja uns breves comentários, acho que ficaria mais rico expondo o quanto afeta diretamente na industria! No mais, parabéns pelo texto!

    • eder rodrigues da conceição

      Obrigado João Carlos pelo apoio e pela crítica construtiva. Este artigo terá outras partes e desdobramentos e pode ter certeza que a parte do politicamente correto será tema em um dos próximos post.

      • Leon AinsWorth

        Parabéns Eder você tem talento pra coisa e MAIS do que deveria estar no canal do ANMTV do YouTube com um bloco só seu

        • eder rodrigues da conceição

          #EdernoCanaldaANMTV HAHAHA

  • will

    Pronto +1 comentário para a terceira parte.

    • eder rodrigues da conceição

      Boa Will Hahahaaha

  • Mestre Kame

    Acho legal lembrar que os animes estao menos violentos do que um dia ja foram, mas em sua maioria, eles são exibidos no Japão na madrugada e nos Eua no adult swin que também é um programa noturno, esperar esses produtos nas manhas de uma tv brasileira é loucura.
    Outra coisa,metade do texto é explicando o que é a classificação indicativa e pedindo likes e comentários, acho que tinha uma maneira de fazer esse texto render mais.

    • eder rodrigues da conceição

      Sim, concordo. Hoje em dia, está tudo muito no politicamente correto. Você tem que agradar a todos os públicos e alcançar o maior número de pessoas possíveis, vide Dragon Ball Super, onde podemos contar em uma das mãos, cenas onde aparece sangue. Boruto também passa por esta síndrome do politicamente correto, apesar de que tem bem mais cenas de sangue que em DBS, mas mesmo assim, em comparação a sua obra original que é Naruto, é bem menos violento..

  • ABC

    O fim dos animes tem muito mais relação com a proibição de propaganda infantil na tv aberta do que a classificação indicativa em si.

    Essa polêmica da classificação existe desde a decada de 1990, é só ver nessa matéria sobre secretária do ministério da justiça do FHC: https://www.terra.com.br/istoegente/64/reportagem/rep_elizabeth.htm

    Na TV fechada eles resolveram investir em atrações que permitisse vender licenciados. Apesar da boa audiência eram poucos os animes que vendiam produtos associados.

    • eder rodrigues da conceição

      ABC, vamos lá. Acho que você não leu o texto. Eu falo no artigo que a classificação existe desde 1990 e você vai ver as explicações que dei e que isso foi o fator primordial para essa queda dos animes, não o único. Deveria ler o artigo novamente para entender melhor.

  • Lucas Nogueira

    é engraçado como as coisas são pq, na época, minha mãe não deixava eu ver anime, falava que era violento e tal. Só que essas novelas ensinam muito mais que os animes, ensinam: a matar, roubar, mentir, se@#o e outras coisas, e nem todo anime é violento da maneira que os pais enxergam. Depois que eu cresci comecei a ver as coisas dessa maneira. E com relação aos animes violentos, tem que ser extremamente violento para passar de madrugada no japão. não é coisa pouca não. E nos EUA só passa no adult swin, pq os americanos reclamam muito sobre qualquer serviço eles opinam e as distribuidoras ou mesmo as empresas responsáveis por conteúdo ouvem as mais diversas opiniões.

    • eder rodrigues da conceição

      Pra você vê, como os valores eram diferentes, daquela época e esta que estamos vivendo.

  • Art Allan

    O ANMTV esqueceu de mencionar o fato da proibição de propagandas voltadas para crianças, que também influenciou drasticamente na retirada de animes na TV aberta.

    • eder rodrigues da conceição

      A proibição de propagandas voltadas ao público infantil foi a cereja do bolo para o “fim” mas quando isso aconteceu, os animes já estava em franca decadência. Acredito que isso foi algo que teve influência, não a toa que a Rede Globo decretou o fim da TV Globinho.

  • Aurélio Mesquita

    acho que sou o unico que esta lendo isso as 4:30,ficar sem o q fazer é brabo

  • Ótimas informações ! Eu não tinha ideia de como funcionava o sistema de idade indicativa … estou aguardando ansiosamente o próximo texto!!!

    • eder rodrigues da conceição

      Obrigado pelo Feedback Dolfonunes. Aguarde até a próxima semana, que vai ser bem legal o artigo. Mas depende da meta de vocês serem batida. 100 curtidas na rede sociais e mais de 60 comentários aqui hahaha.

  • Lembrando de Inuyasha e Samurai X passando todo picotado na Grobo (e isso pq no Cartoon Network já sofria algumas censuras)

  • eder rodrigues da conceição

    A Play Plus está investindo em Tokusatsu e isso é um pé para exibir animes. Já a Globoplay…. Bem… Né…

    • Leon AinsWorth

      Com certeza mano Eder , e não duvido que SailorMoon Classic possa vir futuramente a plataforma do Play Plus e outros animes claro que tudo irá depender do sucesso de Jaspion ..

    • Gabriel Arruda

      A Globoplay é uma droga,tem muita porcaria lá.

  • eder rodrigues da conceição

    Leon, agradeço pelas suas palavras. É muito gratificante ver palavras assim de fãs do site e desse mundo fantástico de animes e mangás. E fico ainda mais feliz por gostar dos meus textos e minhas opiniões. Obrigado mesmo. E sobre sugerir eu falar e fazer vídeos no canal do Youtube do ANMTV, tudo depende de vocês para falar com o Nielsen. Quem sabe eu consiga, hahaha. #EdernoCanal

  • eder rodrigues da conceição

    Infelizmente ;(

  • eder rodrigues da conceição

    Dois pesos e duas medidas para situações parecidas e que na visão do Mistério da Justiça, são opostas.

  • pablo souza

    Só uma crítica construtiva,sem hate. Achei seu texto bom,porém acho que você deveria argumentar um pouco mais,apresentando melhor essa relação de causa e consequência. O exemplo de como essa restrição de horários afetou os animes foi perfeita,mas na parte do “politicamente correto” senti falta disso . . . Como o cara do outro comentário falou,seria melhor remontar o contexto,pois essa parte ficou muito
    superfícial e “apressada”( claro que seu texto não precisa ser puramente expositivo,só um toque). Fora isso,gostei do texto.

    • eder rodrigues da conceição

      Obrigado Pablo Souza pelo comentário e pela crítica construtiva, pois ela é sempre bem vinda. Você tem razão mesta parte sobre o politicamente correto, foi superficial, porém Pablo foi proposital pois isso virá a ser um tema para um artigo futuro, também relacionado com o tema anime.

  • junior saldanha

    Eu vejo crianças vendo videos no youtube da época do band kids ou tv globinho e dizem: nossa era pra voltar,nasci no tempo errado…mas sejamos sinceros,todos esses desenhos tem na internet e nenhum deles assistem,pois o minecraft e fortnite falam mais alto….(nada contra) é por isso que eu acho que se voltar o toonami,no mes seguinte cancela,pois o publico do toonami vai estar trabalhando,faculdade,filhos,esposa..humildemente é o que eu penso

    • eder rodrigues da conceição

      Vai depender de dois fatores Junior. Um deles é a divulgação e outro é o horário de exibição. Se botarem animes em horário nobre na TV fechada ou até nas madrugadas, pode ser uma boa estratégia para evitar essa parte que você mencionou.

  • Isso que é ford, mesmo eu e outros fãs que ainda temos tv paga, ficamos reféns do mesmo jeito da Rede Brasil, pq pra melhor ou pra pior, é a única emissora NO GERAL aqui no Brasil que exibe animes pra adolescentes/adultos e sem cortes.

  • eder rodrigues da conceição

    Sim, terá sim. Não sei se será na parte 4 mas virá sim sobre os streamings.

  • eder rodrigues da conceição

    Você mais uma vez entendeu errado. A classificação indicativa sobre a restrição de exibição de programas, caiu somente em 2016, e não na segunda metade dos anos 2000. E a queda dos animes na TV aberta se deu pela classificação indicativa, por reclamação dos pais, e dos conteúdos que eram exibidos numa faixa de horário não apropriada. Já na TV fechada foram outros motivos, que vai ter um artigo sobre isso aqui.

    • ABC

      O STF derrubou em 2016, mas desde muito tempo essa briga vem se arrastando com liminares para tudo quanto é lado, http://propmark.com.br/mercado/mj-e-agu-entraram-com-recurso-contra-liminar-da-classificacao-indicativa
      Uma regra do meio empresarial é que enquanto uma atividade dá grande retorno, mesmo que se sofra multas, é vantajoso continuar a exercer ela.

      Reclamação de pais existe desde que o mundo é mundo, os conselhos tutelares são em sua maior parte dominados por país cristãos, as associações de proteção infantil tbm. Essas associações vivem processando emissoras e patrocinadores e acionando o MP.

      Quando o judiciário passa a dar razão aos pais/associação para infância nas ações contra propaganda destinada a crianças que os programas deixam de ter anunciantes e passam a sair do ar.

  • Seto Kaiba

    Boa perspectiva, a classificação indicativa realmente foi o fator decisivo para o fim dos animes na TV aberta.

    Mas ainda digo que o que influenciou isso acontecer foi o famigerado caso de Yu-Gi-Oh e as cartas do demônio que o Sr. Gilberto Barros criou. Isso afundou os animes de uma forma bizarra lá para 2000 e pouco, os pais começaram a boicotar tudo o que era do Japão,a Parisi video até faliu, pessoas perderam o emprego e a TV começou a olhar com maus olhos para qualquer animação japonesa, pois não queriam mais problemas. A comunidade evangélica foi a mais engajada a destruir os animes. Os meus professores evangélicos diziam para os pais dos alunos que Yu-Gi-Oh era satanista e mostravam as cartas do Duelo de Monstros para provar! Eu creio que foi isso que fez a Classificação indicativa ser levada a sério. Na época até tiraram inexplicavelmente Yu-Gi-Oh do ar porque ele teria muita “complexidade para crianças entenderem”. Mesmo assim, ainda tivemos o RedeTV Kids com Hunter x Hunter e outros e Naruto e One Piece no Sbt, mas já com bastante cortes e o famoso sangue rosa. Quem viveu e assistiu lembra dessa coisa estranha.
    Realmente, foi o início da era do politicamente correto!

    Mas mesmo assim só o problema do horário não é o bastante para citar este fim, em 2000-2001, tivemos o primeiro anime exibido em horário nobre, Slayers na Band e flopou bonito na audiência.

    Em 2006, tivemos o bloco Otacraze na PlayTV como Ranma, Trigun, Love HIna e Samurai Champloo que fez um sucesso considerável para uma rede UHF, além de Desert Punk e Afro Samurai na MTV exibidos legendados no horário das 23 horas. Tanto a PlayTV quanto a MTV exibiram muito bem os animes. Se bem que o último episódio de Samura Champloo sempre era pulado na PlayTV… Mas mesmo assim, ambos acabaram melancolicamente…

    De qualquer jeito, eu ainda considero também um boicote otaku na época para ajudar neste fim. Eu lembro que por volta de 2006, qualquer anime que chegava dublado era motivo de critica no mundo otaku. Tanto na TV aberta, quanto no CN, quanto no Animax. Quando Naruto, Trigun e Love Hina chegaram dublados, ouve tanta reclamação por causa dos termos adaptados que dava raiva ( coisas que os otakus atualmente defenderam em Maid Dragon e outros animes da CR). Os otakus reclamavam que tudo que chegava dublado na Animax era dublado “SÓ” na Álamo. Viviam EXIGINDO que exibissem animes legendados! O que aconteceu depois? O Toonami foi descontinuado e o Animax saiu do ar. A queda na venda de mídias oficiais, pelo menos as que existiam, também foi mais uma pá de terra na cova dos animes no Brasil.

    E para mim, o último prego no caixão foi BLUE DRAGON!

    Rapaz, quanto Blue Dragon começou a passar no SBT em 2010 com dublagem de Miami, choveu criticas no SBT! Depois disso os animes simplesmente foram eliminados da emissora. Quem sonhava com animes na TV aberta, tinha o SBT como primeira opção na época, mas depois do incidente Blue Dragon duvido que algum dia outro anime passe na emissora!

    Vivemos vacas muito magras durante vários e agora o streaming meio que resgatou a dublagem dos animes.
    Mas ainda creio que isso não tem nada a ver com o Brasil. O investimento é todo na América Latina e as dublagens APENAS respingam no Brasil! E cito CR, Netflix e Claro TV!

    Mas só vou crer em um novo boom de animes no Brasil, se algo além da tríade CDZ, DBZ e Pokémon for para a TV aberta e ter um audiência considerável!
    O pessoal comemorando o sucesso de “Dragon Ball Super” há um ano foi quase que chover no molhado, pois DB sempre teve um público bom e ele sempre é renovado graças a fama e os jogos.
    Coisas novas como Yokai Watch no DXD, Capitão Tsubasa e Beyblade novo no CN e o Black Clover na RBTV é que seriam bons termômetros para ver se um novo boom estaria nascendo; e foram apenas fagulhas fracas.

    Bem, essa foi a minha visão na época. Eu era mais jovem do que era hoje, então posso lembrar de certas coisas de modo errado devido a mágoa. E digo mágoa mesmo, pois naquela época eu já começava a me desiludir com a comunidade otaku. Pois para mim, o grande responsável para derrocada dos animes no Brasil naquela época foi a grande comunidade otaku que simplesmente destruiu o Toonami, o Animax e tirou a vontade do SBT de passar animes… Além da comunidade evangélica que patrocinou o caso “Yu-Gi-Oh e as cartas do demônio”.

    • Eduardo Jose de Andrade

      Cara tenho um grande ranço por esse Gilberto Leão Barros………..imbecil f#deu a exibição de yugioh DM na Globo e assim vários produtos oficiais caíram nas vendas (principalmente as cartas oficiais e até piratas) e só depois soube que passou o começo do arco battle city no show da Xuxa mas infelizmente não acompanhei, os otakus também tiveram culpa nisso, super concordo, reclamavam da dublagem da Álamo que era um dos, se não o melhor estúdio de dublagem paulista, tudo bem que repetiam muitas vozes de dubladores mas poxa! quem ia dublar então? o seu zé da limpeza do estúdio na época? mas também o fator político como a era PT foi que mais deu força no politicamente correto, mas o FHC também pisou na bola antes.

      • Leon AinsWorth

        O pessoal da Sony na época simplesmente esqueceu que haviam fans da dublagem carioca em animes e rolou todo aquele terrível monopólio paulistano com a alamo ,mesmo a maioria das dublagens deles teriam sido ótimas.

        Poderíamos ter tido Hellsing, Trinity Blood , Burst Angel, Black Cat , Heat Guy J e Fate Stay Night com dublagens cariocas da Delart Rio, Cinevideo e Som de Vera Cruz na época mas infelizmente eles não pensaram nisso…. seria muito legal

        Por isso que hoje em dia eu bato MUITO nesta tecla para que outras distribuidoras de anime além da Cruncyroll começem a Valorizar a dublagem do Rio de Janeiro em animes como Toei Animation, Televix, Sato Company , Hasbro e 4Kmedia

        • Cevert

          Mas sempre teve monopólio paulistano. Eu sou carioca da gema e confesso não entender a reclamação de alguns em relação à dublagem. Na época da Manchete, cavaleiros, samurai warrios, sailor moon, todo o U.S Manga foi dublado pela Gota Mágica que era paulista. A Gota Mágica pra mim foi o melhor estúdio que teve, juntamente com a BKS (que ainda existe). Se vocês pegarem os animes que passavam nos anos 90 e início dos anos 2000 a maioria era da BKS e Gota Mágica. Inclusive quem pegou as outras temporadas de sailor moon no cartoon foi a BKS, dublando em seguida sakura cardcaptors. Mas a melhor dublagem de anime de todas, sem exceção, é a da Áudio News com Yu Yu Hakusho, aquela dublagem foi foda! Inimitável! Também só tinha gente boa na época lá dentro.

          • Leon AinsWorth

            O Kevin pode te explicar melhor ainda que eu ou o Santo Armor

          • Leon AinsWorth

            Com certeza a dublagem de Yu Yu Hakusho é inesquecível, embora eu prefira a Redublagem feita pro Cartoon Network.

            Por isso que insisto que outras distribuidoras de anime começem a dublar seus animes Originais no Rio de Janeiro e ir quebrando aos poucos o monopólio de São Paulo, não deixando de dublar claro mas dando atenção ao Rio de Janeiro

    • Leon AinsWorth

      Yokai Watch, Monster Hunter Stories, Bakugan, Monsuno e Captain Tsubasa deveriam ser exibidos no último refúgio para os novos otakus que não tem meios de ter Internet em casa que é o Verão Animado da Band

  • Cevert

    O autor desse artigo, talvez por ser novo na época, deconhece como funcionava a classificacão indicativa nos anos 90. Mas não é desculpa pra fazer um artigo sem esclarecimento, somente colocando: “politicamente correto”. O que ocorre é que o politicamente correto é um fator intrínseco, mas não determinante. O que acontecia é que nos anos 90 o conteúdo classificativo era determinado pelo bom senso. Parece piada, mas era assim… Em 1996 se vc ligasse a Manchete as 18:00 passava anime com censura 18 anos. Ou seja, não era proibido passar anime ou qualquer conteúdo com essa classificação nesse horário. E isso de certa forma continuou até 2010. Quando o supremo determinou que determinadas classificações deveriam ser estipuladas por horário, logo um conteúdo com essa classificação teria que passar após as 23:00. Em 2016, o Barroso do supremo derrubou essa anomalia, pois entendeu que era censura prévia na tv. E voltou a ser como era nos anos 90, apelando pro bom senso. Porquê não passa hoje em 2019, eu não sei. Rede Brasil passa, mas…

    • eder rodrigues da conceição

      Se você realmente leu o meu texto, irá entender que eu falo que era uma outra época e uma outra mentalidade, ou você acha que a mentalidade das pessoas na década de 90 são as mesmas atualmente? Obvio que não, pode até ter essa mentalidade, mas expressa-las não é bem visto. É sói você traçar como exemplo e ver como era os Trapalhões na década de 80 e 90 e vê como foi a nova versão feita em 2017. São épocas diferentes para momentos diferentes. O politicamente correto sim, na MINHA OPINIÃO, influenciou sobre os animes. E a derrocada deles foi muito por causa das reclamações de pais e familiares sobre o conteúdo, ou será que você, que julga ser um cara das antigas, não lembra da treta que deu entre o Cartoon Network e as reclamações sobre seus conteúdos? E olha que estamos falando de TV fechada, que não possui restrições de horário nenhum. Então acho que sua observação foi válida porém, totalmente embasada no fato de eu ser mais novo e não ter o conhecimento necessário para fazer um artigo assim. Então Cevert, vivemos em outra época meu camarada. A mentalidade tem que ser adaptada aos tempos contemporâneos. Os animes não passam mais na TV aberta por que é financeiramente ruim e é um nicho bem específico. Não dará um retorno de audiência, como de uma novela por exemplo. Novela ainda é, e vai ser por um longo período, o carro chefe das grandes emissoras do país. tanto em audiência, quanto em faturamento..

      • Cevert

        Você que está sendo sensível demais. Em nenhum momento eu disse que você não poderia fazer um artigo desses por ser mais novo (talvez seja mais velho que eu). Eu apenas disse que seu artigo poderia ter sido mais esclarecedor, ao invés de se manter no simplista politicamente correto. É uma constatação que eu fiz, só isso! E por que digo isso? Bem, vamos colocar os pingos nos is. Primeiro que essa “treta” que deu no cartoon foi na época do toonami lá em 2004, 2005, por isso foram jogagando os desenhos pra mais tarde. Até a época do talismã, ano 2000 por exemplo, não tinha nada de pressão de pais e o cartoon era um oasis de animes. Segundo que a sociedade sempre foi politicamente correta (hoje ela está pior), me lembro que na época do yu yu hakusho e dragon ball z tinha gente que implicava com demônios e até o Mr. Satã não escapou. O problema é que em 2000 internet era artigo de luxo, mesmo quem podia pagar tinha o inconveniente da falta de disponibilidade. Até hoje acontece isso. Umas semanas atrás queria trocar de empresa e por falta de armário nã tinha disponibilidade de Tim Live e Vivo, detalhe Rio de Janeiro capital onde moro, imagina no ano 2000. Em 2005 já tinha internet abundantemente, computador era barato, orkut difundido, reclamações ecoavam mais, pressão maior na censura. Eu concordo plenamente com você que esse negócio de politicamente correto piorou, mas o politicamente correto só pode ocorrer se houver regulação estatal, caso contrário, explique-me porque a internet não sofre com isso? Além disso, nada foi mais imoral do que a tv dos anos 90. A globo hoje nem se compara com aquela época. Era programa imoral, propagandas imorais, músicas imorais, tudo! Outro ponto é que esse politicamente correto pode ter prejudicado aqui o Brasil, mas não o Japão, será que lá animes foram censurados como aqui? Acho difícil, é a novela deles! Por isso, ficam as observações!

        Obs: o Eca foi outra coisa que prejudicou pra caramba e nos anos 90 era mais brando. É a vida, fazer o que, infelizmente é o preço que se paga por existir Estado.

        • Juniorbf41

          Pro politicamente correto acabar pra essas agencias como a ancine e o ECA chegarem ao fim só depende do povo querer e lutar pra que isso aconteça reclamar na NET não adianta

          • Mas essas agências são justamente reflexos da mentalidade da população.
            Se não tivesse denúncia, essas agências simplesmente não teriam relevância.

            É uma minoria que tem mente aberta para questões como essa.
            O resto, mais conservador, se incomoda com qualquer coisa que vá contra o que ele considera politicamente correto (mesmo que isso nem seja politicamente incorreto, de fato).

      • Leon AinsWorth

        Hoje em dia aqueles anines exibidos no US Mangá da Rede Manchete só teriam lugar em suas versão remaster em serviços de streaming como GloboPlay , Netflix , Cruncyroll , Amazon Prime Vídeo etc etc

        Na tv aberta acredito que ainda terão animes sim mesmo que poucos no caso da Band e talvez alguma coisa no sbt como foi a exibição RELÂMPAGO de Mecard. …………………

        Animes para serem exibidos em canais abertos como Band, Globo e SBT seriam apenas estes como exemplo :

        Mecard
        Yokai Watch
        Yugi-oh Arc V
        Pokemon Sol e Lua
        Digimon Universe App Monsters
        Screechers Wild
        Beyblade Burst
        Monster Hunter Stories

        Embora faz falta termos um bloco noturno de animes em outro canal além da Rede Brasil como Band ou SBT com Naruto Shipuuden, Fairy Tail, Madoka Mágica, Radiant etc etc

        • Juniorbf41

          Pode me falar quais animes eram exibidos no us mangá ? Não sei muito sobre o assunto e quero ver pessoalmente se são tão pesados assim como dizem.

          • Leon AinsWorth

            Vamos lá vou falar os que lembro :

            Detonator Orgum
            Genocyber – pesadopooooooo
            Grapler Baki The Ultimate Fighter
            Battle Skippers
            Iczer 3
            Gall Force – Heart Chapter

    • Leon AinsWorth

      Temos atualmente a Rede Brasil e o Verão Animado da band como alternativa de animes em tv aberta. …

  • Rodrigo Quadro

    Bem, na minha opinião, os responsáveis pelo fim dos animes tanto na TV aberta quanto na TV Paga foram o Lula, o PT e a Esquerda política que implantaram o politicamente correto no Brasil. Fato que ajudou a aumentar o preconceito e a discriminação contra o Japão e os animes por parte dos canais abertos e do governo, resultando na criação de leis xenofóbicas contra produções não apenas japonesas, mas também de outros países, como a lei de cotas de conteúdo nacional pela agência reguladora comunista Ancine, que afetou a qualidade da programação da TV Paga. O Governo do PT (Lula e Dilma) e do PSDB (FHC) também obrigou os canais da TV aberta (Globo, SBT, Record, Band e RedeTV) e os canais da TV Paga (Cartoon Network, Fox Kids/Jetix/Disney XD, Boomerang, Animax e Nickelodeon) a aderirem ao politicamente correto, fazendo esses canais começarem a discriminar os animes e tirá-los da programação ou reduzir os horários destinado aos animes. Também foram responsáveis pelo fim dos animes a popularização do Funk Carioca e da “Cultura” dos Zé Droguinhas, que influenciaram os jovens de hoje a discriminar os animes e a cultura otaku. Tomara que Jair Bolsonaro consiga reverter essa situação dos animes no Brasil, pois ele é de direita e pode ser capaz de acabar com o politicamente correto no Brasil, permitindo a volta dos animes na TV Brasileira.

    • Matheus M

      Cara que que alivio ver o seu comentário! Não se furtou de explorar a questão política que SIM! Está envolvida e acredito que tenha sido o principal fator determinante para o fim não só dos animes na TV mas da alta restrição para exibição de qualquer outras produções internacionais. Fala-se muito em pirataria mas a liberdade do Brasileiro assistir o que ele quiser através de meios legais é muito restritivo! Mas as produçoes Brasileiras n estão em todos os canais em todos os serviços. Tb espero que agora com a abertura do comercio e com a volta das relaçoes exteriores com o Japão isso futuramente possa mudar.

    • pablo souza

      No caso,a esquerda bitolada.

  • André Teixeira

    Sempre me perguntei sobre essa decadencia.

  • Leodn

    O que é estranho é que o problema parece ser o sangue, pois há muitas novelas piores que os animes considerados violentos.

    • Aí já está relacionado com aquela história de que “desenho é coisa de criança”.
      Os pais brasileiros ainda tem dificuldades em aceitar que existem desenhos animados para diferentes nichos além do infantil, ou mesmo desenhos infantis com elementos mais maduros.
      Soma-se a isso a negligência dos pais quanto a classificação indicativa. Eles pegam no pé do MJ, mas muitos deles nem prestam atenção na classificação de determinado produto, e vão reclamar sem conhecer o mesmo ou pra quem é o público-alvo deste.

  • Eduardo Jose de Andrade

    Depois é incentivado e no encontro lacração com a Fátima Bernardes é mostrado e incentivado como cultura a ser seguida…………hipocrisia a gente se vê por aqui! plim plim!

  • Eduardo Jose de Andrade

    Esse Gilberto Leão Barros f#deu a exibição de yugioh DM na globo, pois só 0,11% das casas brasileiras tinham tv a cabo (nem tô exagerando não, eram poucos que tinham no fim dos anos 90 e começo dos 2 mil), o cara foi tipo o exódia e o Yugioh o Seto Kaiba……..mas eu não sabia que a tal classificação indicativa afetou tanto assim os animes, achava que era porque tinham o estigma de serem violentos, mas o fator político (não quero tocar nas paixões políticas de ninguém, mas fatos são fatos) também ajudou com a era PT que não ajudou a facilitar animes ou outros desenhos ou produções estrangeiras, seja com cotas imbecis da ANCINE, leis como a classificação indicativa que proibia exibição fora do horário previsto….agora já era os animes na tv aberta de manhã e isso é triste mas superem, pelo menos a Rede Brasil tem ainda um contrato com a Crunchyroll, mas também de acordo com o comentário do Seto Kaiba em baixo, os otakus não ajudavam também, e é sim uma das raças nerds mais chatas e ingratas! reclamavam da dublagem demais (poxa, depois que viram a “maravilha” que foi Blue Dragon pararam de criticar a dublagem BR na época eu acho), esquecendo que tradução é também adaptação do anime/mangá não só pro otaku ferrenho que gosta de honoríficos mas pro público que possa ser fã também! mas gente eu vou escrever aqui -pela 6794 vez: o streaming é o futuro e arca de Noé dos animes no Brasil, apoiem eles assinando pois assim veremos mais animes oficialmente aqui.

  • Cevert

    Mas anime dublado não são todos. No CrunchyRoll sakura cardcaptors estreiou sem dublagem a nova temporada. O foda é isso! Não sei se o streaming terá interesse de querer fazer o que o cartoon e a fox kids fazia. Além disso, talvez os próprios assinantes optam pela legenda, já que a estreia é quase que simultânea.

    • Leon AinsWorth

      Mas eles tão fazendo isso, o problema ao meu ver esta nas outras distribuidoras tirando a cruncy que só prioriza São Paulo e Campinas para Absolutamente tudo de anime e Se negam ou ignoram o Rio de Janeiro como pOlo de dublagem para animes

      A distribuidora Televix atualmente só dubla anime na LexX e Clone e isso está saturando já mesmo as dublagens sendo aceitáveis. … eles deveriam ter no mínimo 2 estúdios no Rio de Janeiro para variar as dublagens e isso NÃO acontece, isso inclue 90% das distribuidoras de anime atuais o que acho totalmente Triste e Lamentável e a gente só perde com isso

      • Marcos Antônio Brêta

        Isso de início, a medida que aumentar a base de assinantes aumentará a quantidade de animes dublados e de estúdios de dublagem contratados.

        • Dark Ryuzaki

          O problema maior aos meu ver é esta terceirização da dublagem que a Netflix parece não perceber. ….

  • Mas não resolve a questão de tornar esse tipo de conteúdo popular.
    Hoje a quantidade de quem acompanha esse tipo de conteúdo não chega nem perto dos que não acompanham, cuja grande maioria desse sequer se interessa em procurar a respeito.

    • Gabriel Arruda

      A Televisão também era assim no início.

  • Comparar anime com jornalístico não soa coerente, pela discrepância nas propostas de cada um.
    Basicamente é o público-alvo que acaba pegando nesse sentido (nos caso dos desenhos, no público que muitos acham que é o alvo).

  • Carlos Santana

    Só estou comentando, por ficar curioso para a terceira parte chegar logo. E que achei a segunda (desculpe a palavra que vou usar) foda demais, parabens por isso.

  • O quadro mudou muito atualmente. Já foi o tempo que a Disney optava pelo RJ ou que as distribuidoras de filmes ignorassem SP. O mercado da dublagem passou por muitas evoluções, tanto boas como ruins.

  • Leon AinsWorth

    Hoje em dia TUUUUDO da Disney incluído desenhos são dublados em São Paulo Capital com raras exceções que vão pra sede do Rio mas são poucos.

    Acho isso nada haver o Rio de Janeiro é um Ótimo pólo para dublar Animes, isso que acontecia na década de 90 ficou no passado graças a Netflix e a Cruncyroll que voltaram a dublar anime no Rio recentemente

    • Eduardo Jose de Andrade

      Coisa boa, fora que ainda está se expandido em outros eixos mesmo que aos poucos.

    • Cevert

      Cara, eu não entendo esse seu fetiche com o RJ, sem sacanagem. E eu sou carioca. Qual o problema de concentrar em SP? Anime começou a vir pro Brasil nos anos 90, praticamente tudo era SP, desses famosos só o Yu Yu Hakusho foi aqui (não lembro de outro). Não entendo essa cisma de tirar SP, fora que esse meio é muito difundido, você tem gente de vários Estados trabalhando em um estúdio. O melhor dublador do Brasil é o Guilherme Briggs e ele é carioca, ele poderia trabalhar em um estúdio paulista, nada a ver isso!

      • Elias AinsWorf

        Isso raramente acontece é não quero o fim da dublagem Paulista mas sim que mais animes sejam dublados no Rio de Janeiro e alguns em São Paulo até por que já foi muuuitas coisa pra lá, você me interpretou errado como a maioria. ..

  • ABC

    Você apenas reforçou o que eu escrevi sobre a restrição de horários imposta pela classificação indicativa, e que o fim da propaganda direcionada ao público infantil (que se não me engano tem numa ação contra a Bauducco em 2007 o caso paradigmático) foi o real motivo para o “fim” dos animes na tv aberta.