A História dos Animes no Brasil Parte 3: A TV por Assinatura

Por Eder Rodrigues em

ANMTV / Divulgação

Depois de termos introduzido o tema à dois artigos atrás e falarmos sobre o sumiço dos animes na TV aberta no Brasil na semana passada, eis que agora iremos falar sobre os animes que passaram na TV por assinatura, ou como conhecida TV fechada. Por que houve essa queda na exibição de animes neste nicho da TV brasileira? Quais fatores foram determinantes para este acontecimento? Bem é isso e muito mais que falaremos aqui neste artigo, onde poderemos teorizar, trazer fatos e argumentos para explicar essa situação. Só antes, o agradecimento a todos vocês que no artigo passado, bateram a meta no qual eu havia descrito. Muito obrigado mesmo galera. Bom, sem mais delongas, vamos lá.

Antes de entramos no tema dos animes, proposto pelo título, precisamos entender as origens da TV fechada/assinatura por aqui. A TV por assinatura, no Brasil, surgiu na década de 80, onde as primeiras transmissões desse serviço foram feitas pela CNN e pela MTV, e estas operações serviram de um grande gatilho para a implementação da TV por assinatura e consequentemente, sua regulamentação em 1988. Porém, somente no final de 1989, que o governo introduziu definitivamente a TV por assinatura no Brasil. Em 1991, houve um grande crescimento em investimento nesta área, encabeçada pelas Organizações Globo (que criaram a Globosat) e o Grupo Abril (que criou a TVA). Desde então várias outras empresas investiram neste segmento, no qual ganhou cada vez mais assinantes, se tornando uma grande opção para quem não queria ficar vendo uma programação, praticamente imutável na TV aberta na época (apesar de que a TV por assinatura, na época, ser algo bem caro para os padrões).

Dito isso vamos a história dos animes nesse nicho especifico, que é a TV fechada. Após o grande sucesso que a TV Manchete obteve com animes em sua programação, como Cavaleiros do Zodíaco, Shurato, Sailor Moon, Super Campeões e Yu Yu Hakusho, era de se imaginar que isso se espalharia, de alguma maneira, para a TV fechada, uma vez que ali, poderia ser um grande celeiro para a exibição e uma grande fonte de renda. Brinquedos e produtos relacionados a esta estas franquias esgotavam-se rapidamente, principalmente de Cavaleiros do Zodíaco que virou uma febre entre os fãs. Então se algo está dando audiência, grande retorno das pessoas e principalmente lucro, isso é motivo o suficiente para as empresas apostarem neste tipo de conteúdo. E foi o que aconteceu.

Apesar do triste fim da TV Manchete em 1999, eles marcaram para sempre na história dos animes no Brasil, pois apesar do fechamento da emissora, a cultura japonesa já estava ratificada nas terras tupiniquins. E na TV por assinatura, não foi diferente. Canais como Cartoon Network, Nickelodeon, Fox Kids (que posteriormente se tornou a Jetix e depois o Disney XD) e o Multishow (sim, o canal da Globosat foi responsável por exibir animes no Brasil, por mais que você não acredite). E posteriormente, vimos a criação do Locomotion e com o fim do mesmo, surgiu o canal Animax. Também tivemos Disney Channel, Disney XD e o Boomerang, que exibiam animes. Lembrando galera de uma coisa. Vale aqui a menção honrosa a canais, que não são específicos de animes, mas que em algum momento exibiram na TV algo relacionado ao tema, como por exemplo, a MTV, HBO, MAX, Cinemax, e a Rede Telecine.

O Cartoon Network foi responsável por trazer diversas animações japonesas, como Dragon Ball e os seus filmes, Pokémon, Naruto, Inuyasha, Hamtaro, Animatrix, Sakura Cadcaptors, Zatch Bell… São alguns exemplos de animações que fizeram um grande sucesso no canal. Na Nickelodeon tivemos Monsuno, Yu-Gi-Oh! Duel Monsters, que ficou extremamente popular no Brasil, e a sequência Yu-Gi-Oh! GX. Na Fox Kids tivemos Beyblade (pra começar temos que girar… Quem não lembra da abertura?), Digimon e suas sequências (Adventure, Adventure 02, Tamers, Frontier), Medabots, o grande Shaman King, dentre outros.

O Multishow nos proporcionou alguns também como Macross Plus (o OVA), New Dominion Tank Police (OVA), O Oitavo Homem – O Policial do Futuro (8 Man After OVA), Babel II (OVA), Genma Taisen, Oneamisu no Tsubasa (Asa de Honneamise). O Locomotion tivemos Akira, City Hunter, Cowboy Bebop, Lupin, Saber Marionette J. E no saudoso Animax vários animes que fizeram sucesso como Bleach, Black Jack, Death Note, Fullmetal Alchemist, Hunter X Hunter, Hellsing dentre muitos outros.

O Disney Channel e o Disney XD exibiram Beyblade: Metal Fusion, Beyblade: Metal Masters Beyblade: Metal Fury Digimon: Data Squad (Digimon Savers), PUCCA e Stitch!. E por fim o Boomerang  tivemos, As Meninas Superpoderosas Geração Z (Power Puff Girls Z), Ashita no Nadja, Gatchaman, Kaleido Star, Kaleido Star: New Wings Extra Stage, Kimba the White Lion (Jungle Taitei), Sakura Card Captors e Tokyo Mew Mew.

Dito tudo isso, os animes sem dúvidas, foram algo muito marcante na TV por assinatura do Brasil. Mas porque houve esse “esvaziamento” dos animes neste segmento? Você deve estar pensando que são as mesmas regras, que se aplicam (ou aplicaram na época), na TV aberta, por conta da classificação indicativa e das suas exibições em determinados horários, foram que causaram o enfraquecimento dos animes na TV fechada, certo? Errado. As regras de classificação indicativa só se aplicava a TV aberta e por conta disso, a TV paga não segue estas regras. Então por qual motivo os animes decaíram tanto?

Não tem um motivo plausível para esta queda vertiginosa dos animes em canais fechados mas podemos linkar e analisar fatos e que a partir de agora é o que eu acho que ocasionou este esvaziamento. Bem, basicamente podemos dizer que o  primeiro ponto seria o público. O público que era jovem ou criança na década de 90 e inicio dos anos 2000, que cresceu vendo animes, vai ser digamos o “público alvo”. Porém, as crianças de hoje em dia não cresceram como a gente cresceu. A geração atual vê atualmente desenhos animados que são bem infantis, e por mais que você ache isso absurdo, é o que dá um grande retorno de audiência, vide o Discovery Kids, que é um canal dedicado ao público inteiramente infantil, figura como uma dos canais de maior audiência na TV por assinatura. E esse fator de público e audiência, tem haver com o próximo tópico que iremos falar, que é a publicidade.

Quando falamos de audiência, naturalmente falamos de público e quando falamos de público estamos nos referindo a consumo. E nada melhor do que comerciais e publicidades vinculadas a esta parcela da população, certo? Correto. Então os desenhos que vemos atualmente, dão um grande retorno para as emissoras, e consequentemente, as apostas neste público são mais garantias de certeza de audiência. Mas pera aí Éder, os animes também possuíam “muito audiência”, isso não é justificativa para sair os animes das emissoras de TV paga. Sim, você está certo em partes, porém temos duas questões interessantes, que é o horário de exibição dos animes e a questão do nicho. Quando começaram a vincular animes na madrugada, meio que ficou “escondido” na grade das emissoras, uma vez que eram poucos os que ligavam a televisão tarde da noite para assistir animes. E isso foi minando a audiência deles por aqui. Outra situação é os animes serem algo de nicho, algo bem específico para determinado público. E infelizmente as crianças, que são a parte fundamental para consumo do produto, não veem anime como algo que lhes façam admirar. É uma cultura diferente da qual as pessoas que cresceram na década de 90 e nos anos 2000. O público daquela época é um, e o de hoje é totalmente diferente. Mas Éder eu ainda não estou convencido. Vamos para a questão do prejuízo.

Atualmente canais segmentados por animes, games ou algo parecido, dão pouco retorno financeiro para eles. Se não está dando o retorno esperado, a ideia de extinguir, vai se tornando mais clara na visão de um empresário. E os pensamentos de comprar  pacotes de desenhos americanos é mais barata e lucrativa do que um anime, pois dizem que adquirir um anime não é algo barato se comparado a esses desenhos. Fora que, como foi dito, não dão o retorno esperado e que as empresas não querem ver sua marca veiculada a um anime que ranca tripas, tem muito sangue e tem situações que “afetam a moralidade e destoam de como é a sociedade”. E isso foi minando muito os animes na TV fechada que tanto todos nós gostamos. Fora que atualmente, a competição se tornou grande, uma vez que os Streamings vieram com tudo, na aquisição de animes, tirando grande parte do público desses canais, já que este serviço tem se tornado cada vez mais popular e preços mais acessíveis, se comparado a TV paga. Mas isso será tema para um próximo artigo.

Resumindo tudo isso, dificilmente veremos aquela febre dos animes na TV fechada voltar. Emissoras como a PlayTV, apostaram em adquirir animes famosos, como Naruto, Bleach, Death Note mas não obteve o resultado esperado. E isso desanima cada vez mais de se apostar neste segmento, tão admirado por nós mas que financeiramente falando, não é bem visto pelas emissoras. É um cenário praticamente impossível de retorno, são poucos os animes que sobrevivem, e os que têm, são famosos perante o público e que são “Family Friendly”, ou seja, são para toda família. Pokémon e Dragon Ball Super são exemplos claros disso. A atual temporada de Pokémon, Sun e Moon, que é muito mais infantil, tanto no enredo quanto nos traços da animação,tem obtido uma audiência superior a saga XY, onde tivemos histórias mais densas e uma animação muito boa. Já o caso de Dragon Ball Super, perdeu aquela essência que se tinha no Dragon Ball clássico e no Z, onde tínhamos sangue e outras coisas. Agora temos apenas “babas e leite” saindo da boca dos personagens. É triste mas é a realidade do mercado. Atender a todos os públicos possíveis e isso é ruim para gente, mas financeiramente ótimo para as emissoras. Nesta queda de braço, perdemos todos nós.

Comentários
  • Camilo Lelis Ferreira da Silva

    Bora Pra Parte 4 com Streamings e Pirataria?

    • Vixi essa treta que tá rolando agora com uma certa CR kkkk

    • UM_GAROTO_QUALQUER

      Acho que nem precisa nesse momento, tá tendo treta brava com a Crunchyroll e a pirataria, Luffy vai resolver tudo isso…

    • Eduardo Jose de Andrade

      E elas são o presente e futuro dos animes no Brasil e mundo.

    • eder rodrigues da conceição

      A parte 4 vai ter ambos.

  • 紫-MURASAKI-

    A era PlayTV por ser a mais recente da TV paga até agora foi de fato muito boa pra quem dependia de televisão para assistir anime. Porém por eles não tentarem ir atrás de um conteúdo mais variado e por ter sua programação decaída drasticamente (apresentadores saindo da emissora, horários vendidos, poucos programas originais ainda sobrevivendo), já era de se esperar que uma hora ou outra os animes no canal não iriam sobreviver por tanto tempo.
    Agora com o bloco do Crunchyroll exibido na Rede Brasil e o infantil da Band deu pra perceber algo um tanto inesperado: a TV aberta mesmo não sendo como antes, começou novamente a possuir uma programação mais variada para os desenhos nipônicos do que a TV paga. O CN dificilmente faria um Toonami novo sabendo quem tá controlando o canal, a PlayTV decaiu, a Globosat atualmente caga e anda pra animes (cof cof Gloob) e a Sony até o momento não demonstra interesse em voltar a investir internacionalmente na marca Animax, a menos que sua ainda recente subsidiária Funimation resolva fazer isso.

    • Kaio Honorato Rodrigues

      Falando em Jetix, na América Latina, tem aparecido vídeos do suposto retorno do canal.
      Mas difícilmente o Jetix vai voltar!
      PS: Não vou opinar sobre o canal, nem tive acesso a TV paga nessa época mesmo. Mas ouvi falar que o Jetix era criticado por sobreexplorar Os Padrinos Mágicos e Pucca! É isso tudo que posso informar!

      • Bruno Luiz

        Padrinhos mágicos chegava a ficar dias seguidos maratonando os episódios e repetindo, similar a TTGo nos EUA, reprises sem fim e maratonas a perder de vista

      • Eduardo

        Manda esses videví do suposto retorno do Jetix aí

        • 紫-MURASAKI-

          Pesquise “jetix regresa” no YouTube e você achará milhões de resultados, claramente falsos.

          • Eduardo

            Yep. O canal em si é o Marvel HQ

      • 紫-MURASAKI-

        Sempre existiu esses tipos de vídeos, principalmente em espanhol. Povo adora uma conspiração.

      • Eduardo

        Acabei de ver. Na verdade não e o Jetix, e um novo canal da Disney chamado Marvel HQ. Ele substituiu o Disney xd na India.

      • Gustavo

        Nos últimos anos de vida do canal (especificamente em 2009) o canal viveu apenas de Pucca e Padrinhos Mágicos, nos anos iniciais teve várias atrações que eram exibidos na Fox Kids e mais algumas atrações novas e continuações de exibições de episódios novos da Fox Kids, aí Só esperaram expirar os direitos de tudo que tinha pra no fim viver de Pucca e Padrinhos Mágicos

    • eder rodrigues da conceição

      Justamente. A PlayTV não conseguiu se sustentar com os animes, pois além do custo elevado, não conseguiram anunciantes para pagar os gastos.

  • Só preciso fazer uma correção aqui.
    Monsuno era exibido por aqui na Nickelodeon, e não no Disney XD. Tanto é que eu acompanhava esse anime, e quando terminou a segunda temporada, tiraram rapidinho da programação.

    • Elias AinsWorf

      Espero que Monsuno vá para o Verão Animado da band, já que a nicklixo nunca mais vai reexibir

      • É, e tem uma terceira temporada que nunca tinha sido exibida aqui. Só fiquei sabendo disso quando procurei pelo desenho agora há pouco na wikipédia!

        • Elias AinsWorf

          Nossa que legal, será que foi exibido em Portugal essa temporada?

    • Eduardo Jose de Andrade

      Mas a segunda temporada foi a última da história do anime ou tinha mais?

      • Então cara, dei uma pesquisadinha rápida na wikipedia, e aparentemente, rolou uma 3temp. tbm, mas acho q nem passou aqui.
        O negócio tá tão feio q, se vc for no idioma portugues da página da wiki, tá com 2 temporadas ainda kkkk

        https://en.m.wikipedia.org/wiki/List_of_Monsuno_episodes

        • Eduardo Jose de Andrade

          Caramba, wikipédia pode vacilar em alguns artigos como política, mas episódios ou temporadas de desenhos de 2 mil pra cá eles são confiáveis mesmo, então a última temporada de Monsuno só saiu pro streaming Hulu, pelo menos finalizou a história pros fãs, se brincar até a wiki em inglês tem mais informações sobre o Brasil que a wiki em português XD.

  • Ikizer Donno

    Deixa como está. “Inês é morta”.

    .

  • Noir Fleurir

    Saber Marionette J passou direto de 1998 até 2007 na TV brasileira. Mesmo com o fim da Locomotion em 2005, o Animax continuou reprisando a série por dois anos

    • UM_GAROTO_QUALQUER

      Essas eram boas épocas da TV Brasileira, acho estranho que msm com a grande popularidade dos animes hj em dia nenhum canal como Cartoon Network, Nickelodeon, Disney Channel ou XD e Gloob se interessem mais em animes.

  • Thomas

    A questão é simples. O otaku brasileiro não é como o japonês que praticamente banca a indústria, é só ver quantos otakus aqui tem action figures de personagens de anime em casa, se compra um mangá de 22 reais é muito e mesmo tendo grana não assina serviços de streaming que dão lucro pra indústria. Como o empresário vai se interessar por isso ? Só se ele for rico, gostar de anime e tiver muita grana para desperdiçar.

    Dito isso é lógico que obras mais infantilizadas irão vender mais, criança gasta dinheiro com brinquedos e bonecos com muito mais facilidade do que os de qualquer outra faixa etária, e isso sem contar que os animes encareceram com o tempo, enquanto os cartoons foi o inverso

    • Nero ZeroX

      Isso é verdade…Off.: Em vários sebos,casas de games e afins eu vejo vários cards do Pokemon, YuGiOh e action figures de vários animes…parecem ser sempre os mesmos…acredito que se fossem em outro lugar estariam zerados…Off.: Outra coisa, a dona Lacrátima Bernardes e cia ajudaram ainda mais a difundir o preconceito, o desrespeito em relação aos animes,games e afins,isso antes de vir a tona a posição política da mesma, de seus colegas,emissoras e afins….fora isso o casal H-, não deixa os filhos assistirem animes, e outros, mas deixa cultuarem a irrita,Nojinho e cia…engraçado vindo de uma apresentadora que tinha o Jaspion, Changeman e cia como carros-chefes de seu programa infantil…ou seja uma hipocrisia…

    • eder rodrigues da conceição

      Como eu falei, o consumo de animes é bem caro para as emissoras comprarem. Fora que o retorno financeiro é bem fraco, se comparados com desenhos animados ocidentais, que é mais barato e dá uma margem de lucro maior.

      • Thomas

        A industria de animes é sustentada pelos otakus japoneses que os caras realmente compram os produtos caros por lá, acho que só a Toei e a Pokemon Company que devem baratear seu merchadising para vender mundo afora com facilidade.

  • Snow

    Naruto e Bleach já eram as dublagens
    Culpa da prprpia viz q dicidiu “pausar” as dublagens até 2018
    Agora ninguém mais se interessa n
    Na época play TV tentou conseguir novos eps

    • eder rodrigues da conceição

      Sim tentou, mas por conta do preço, e por estra legendado e não dublado, fizeram eles desistirem.

      • Snow

        Sim
        Mas na época a viz decidiu barrar a dublagem de novos eps q podiam acontecer só a partir de 2018
        Na época do tinha os 112 ele licenciados
        Agora q já tem todos os 500 eps e os filmes, mas nenhuma empresa de TV ou streaming se interessa neles kk
        Seria uma série q queria assistir pelo menos até a saga do pain dublada, Mas fazer oq kk

  • Shai

    Monsuno passou na Nickelodeon e não nos canais da Disney e Pucca também não era anime, vocês poderiam ter colocado Dinossauro Rei que ficou passando desde o Jetix até o Disney XD. Fora que tem outro erro ali onde está escrito as sequências de Yu-Gi-Oh! Duel Monsters está: Yu-Gi-Oh! GX e “Yu-Gi-Oh!”.

    • João Carlos

      Pucca é coreano, então tecnicamente é anime.

      • Shai

        Na verdade anime é um nome dado para animações japonesas. Coreanas são chamadas de aeni.

        • João Carlos

          Pode se considerar animações asiaticas um anime tambem, pois são bem parecidas.

          • Shai

            Só porque é parecido não significa que seja o mesmo, nesse caso o que dizer de desenhos como Avatar e Três Espiãs Demais, também seriam anime mesmo sendo de países como Estados Unidos e França?

          • João Carlos

            Mano, no japão é tudo anime, na real é tudo desenho.

          • Shai

            Cara não bagunce as coisas, uma coisa é o significado da palavra lá no Japão e outra é o uso disso como termo fora de lá. A postagem está focada em nosso ponto de vista e não dos japoneses, por aqui anime é considerado como um termo comum e oficial para animações de lá do Japão. Não adianta você querer noobar sobre o assunto.

          • João Carlos

            Muita gente considera animação asiaitca como anime, inclusive o My Anime List.

          • Shai

            Mas ainda assim não é o termo certo para descrevê-las como um todo.

  • Gustavo

    Na verdade os animes na PlayTV fez um certo sucesso, fez o canal ter um pouco mais de popularidade e apostariam em cada vez mais, porém a crise financeira chegou no canal demitindo os apresentadores aos poucos e vendendo a programação para vendas de joias e Top Game, hoje o canal está pior que na época em que exibiam animes.

    • eder rodrigues da conceição

      Sim Gustavo, fez sim. Só que quando nós víamos os animes lá na PlayTV, não existia anunciantes que bancasse, tipo a conta não fechava. E quando isso acontece, não tem jeito, a retirada é a solução.

  • Eduardo Jose de Andrade

    Então basicamente o estigma dos animes serem violentos atrapalhou mais deles serem exibidos na tv paga nos canais infantis……Yugioh DM sofreu um boicote da própria Globo por causa disso e de fanáticos religiosos alegando que um desenho satanista ¬_¬, acho que se exibissem animes mais tranquilos como um High Score Girl ainda teríamos animes talvez na tv paga, mas são outros tempos e o streaming é a evolução e consumo nosso (seja o legal ou ilegal), passado passou mas agora se passa anime até na tv paga, vai ser censurado se for em canal infantil.

    • eder rodrigues da conceição

      A censura e os cortes dos animes na TV aberta minaram ainda mais a exibição deles por aqui, já que a crítica sobre isso era grande.

  • Sr. WB

    Certo, eu tenho algumas coisas a dizer: A primeira é sobre ‘Monsuno’, que foi exibido na Nickelodeon e não nos canais Disney, e eu lembro disso porque passava no Sábado, logo depois de A Lenda de Korra. A segunda coisa é que o texto carece de revisão, tá faltando vírgulas e pontuação em vários lugares.

    A terceira coisa é que a derrocada dos animês no Brasil começou com o processo que o Cartoon Network levou. O canal foi levado a justiça pelo Celso Russomano porque as atrações eram consideradas impróprias para as crianças e o canal os exibia sem cortes e sem censura. Na época, também não havia a lei da obrigação da exibição da classificação indicativa. Sendo assim, a CN pagou uma quantia alta por conta disso e teve que se desfazer do seu maior ganha-pão. O segundo ponto foi a fusão da SKY com a DirecTV. As duas já faziam parte do mesmo grupo, mas a unificação acabou com os acordos de Exclusividade (FOX e GloboSat com a SKY, e HBO, que na época detinha a distribuição da Disney, Sony e A+E no Brasil, com a DirecTV). Desse modo, o Disney Channel deixou de ser um canal do pacote mais caro da DirecTV e virou canal intermediário, lançando a tendência mercadológica que governou esse mercado dos canais infantis por seis longos anos. Os ditos ‘live-action for teens’ ou ‘séries adolescentes’. Essa foi a consagrada época de High School Musical, Hannah Montana, Lizz Mcguire e Zapping Zone.

    Hoje em dia os animês não voltam por vários motivos:

    1 – Medo dos canais de serem processados, uma vez que a audiência anda cada vez mais sensível a certos tipos de conteúdo;
    2- Migração desse público para a Internet, seja para a pirataria, Youtube ou Streaming;
    3 – A nova tendência lançada no mercado pelo Cartoon Network em 2012, com Hora de Aventura e Apenas Um Show, que foi a das animações psicodélicas com enredos complexos e lineares. E que dura até hoje, substituindo os live-action e rendendo resultados excelentes. Detalhe, o CN lançou em 2017 mais uma nova tendência de mercado: A Era dos Remakes.

    E é isso!

    • Nero ZeroX

      Concordo…este foi um dos motivos pelos quais resolvi cancelar a tv a cabo, a excassez de animes, as reprises, os preços e o desrespeito por parte da Sky na época…resultado resolvemos investir em outras coisas como um notebook e um ps3 slim…daí um tempo comecei a ver animes, tokus e afins em vários sites de vídeo…Off.: Até hoje o pessoal tem uma birra com o Celso Russomano por causa disso, inclusive saíram boatos que o quadro “Patrulha do Consumidor” seria na verdade “Patrulha do Enganador”, ou seja tudo forjado…o fato é que a tv aberta e fechada estão caminhando rumo ao limbo…

    • eder rodrigues da conceição

      Em que momento no meu artigo eu disse que Monsuno foi exibido pelos canais da Disney?

    • Pégaso

      Não foi só a desgraça do Russomano, entra na conta também Júlio Delgado (PSB-MG) e Barbosa Neto (PDT-PR).

      http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/CIENCIA-E-TECNOLOGIA/120468-COMISSAO-E-UNANIME-EM-CRITICA-A-BAIXARIAS-NA-TV-A-CABO.html

  • Vinicius Berger

    Verdade! O meu sonho mais utópico é, agora que a Disney é dona da Fox, que ela volte com a Fox Kids, exibindo vários desenhos que passavam na época e hoje são completamente perdidos, além (é claro) da volta do bloco Invasão Animê, que só tinha coisa boa. E um bloco de fim de noite, com as séries das canadenses Nelvana e YTV e, de madrugada, o bloco Noites de Insônia, com séries clássicas. Ou seja, basicamente eu quero a mesma programação de quando o canal deixou de existir rsrs
    Sei que isso nunca vai acontecer, mas posso sonhar :(

  • Gabriel Arruda

    Espero que os Streamings engulam todos estes canais abertos e fechados que só passam desenhos estúpidos para emburrecer crianças.Nos Streamings todo mundo vê o que ver.Nenhum público é mandado á merda.

    • Luan Kayro

      O problema não é o que a criança consome, mas sim como os pais a ensinam a reagir aquilo, dizer que os desenhos emburrecem as crianças é o mesmo que dizer que jogar videogames violentos te torna uma pessoa violenta.

      • eder rodrigues da conceição

        Exatamente isso.

      • Gabriel Arruda

        Cometi um erro.Crianças ficam burras pelas influências.

    • eder rodrigues da conceição

      Os Streaming são o futuro dos animes aqui no mercado brasileiro. É a realidade do mercado.

    • Ikizer Donno

      Concordo com: ”desenhos estúpidos”. Já o ”emburrecer crianças” se fosse isso seria um mal menor e passageiro… Existe um método nisso tudo!

      Desenhos infantis para públicos mais velhos. Animações para faixa etária de 0 ~ 5 anos, estão sendo adotadas e indicadas para crianças de 8, 10 e 12 anos; assim, deixando-as mais presa a fase infantil ”crianças burras”, e nada preparadas para a pré adolescência e adolescência.

      • Tipo esse Ben 10 novo, nossa parece que foi feito pro público-alvo do Discovery Kids.

  • João Carlos

    Monsuno nem em sonho pasou no DXD, passou na Nickelodeon.

    • Luan Kayro

      Verdade, eu lembro de ter assistido o primeiro episódio e achei genérico pacas.

      • João Carlos

        Eu tinha um caderno de Monsuno XD

  • João Carlos

    Eu como quem nasceu em 2000 discordo que o publico se desinteressou em animes, a questão é que pelo que percebi la por 2008-20012 pouca coisa tava sendo licenciada pra cá, tanto que Naruto, Bakugan, Dinossauro Rei, Pokémon, Zacth Bell e principalmente Beyblade Metal Fusion fizeram até um bom sucesso.

  • lucas guida

    Pra mim, um dos fatores que contribuíram para a decadência dos animes na tv por assinatura foi a falência da cloverway, que era uma das únicas empresas que podiam distribuir animes na América Latina cuja os direitos nos EUA pertenciam a funimation (como yu yu hakucho e samurai champloo). E também a extinção do animax.

  • eder rodrigues da conceição

    Os pais se deixando ser mais influenciados que os filhos.

  • Léwow

    Sem contar tbm que o Animax era un canal que sempre ficava nos pacotes mais caros da tv paga o que fechava ainda mais o nicho complicado…

  • Maria Júlia Santana da Silva

    Você esqueceu de colocar no artigo que a saudosa VH1 BR também exibiu anime, só apenas um, que foram os curtas em pílulas de Usavich, que foi noticado aqui no ANMTV anos atrás, o sucessor da VH1 no Brasil, o Paramount Channel exibiu o anime Millennium Actress sem aviso, que também foi noticiado aqui no ANMTV

  • Caua Silva

    a parte 4 podia ser do retorno dos animes com a rede brasil e a band

  • Matheus M

    Essa e a questão de serem violentos sempre foram a maxima dos pais aqui no brasil. Mas não culpo religião a isso nao ate pq msm com td isso gosto de animes e sou cristao e uma coisa n interfere na outra. O problema maior sempre foi mais cultural e pq n política. E aquela velha xenofobia basica a td relacionado ao Japão e Ásia.

  • Kaique Batista

    Tem gente que fala que hoje é streaming. Mas eu acho que quantos mais conteúdos tiverem em streaming e outros na Tv , melhor ainda!

    Tipo música , é bom no youtube ou Spotify. Mas é bom também na tv , no rádio. O canal de tv Mtv Live Hd é um bom canal , assim como umas rádios temáticas que descobri no Tune In. O canal Vh1 Hd é um canal bacana tb. Ter uma coisa não precisa retirar outra. Vejo na tv e vejo no streaming também

  • Yusuke Urameshi

    Seria show tudo isso aí em vídeo. Mas já que só tem pra ler né. Kkk vamos lá.