A História dos Animes no Brasil Parte 4: Futuro e os Streamings

Por Eder Rodrigues em

ANMTV / Divulgação

Depois de três artigos em que falo do começo dos animes no Brasil, a sua decadência e sobre a TV por assinatura, eis que chegamos a parte 4 (e provavelmente a última) da série de artigos sobre “A História dos Animes no Brasil”, onde falarei sobre o futuro dos animes por aqui e como o Streaming se tornou, digamos, “a casa” oficial dos animes no Brasil. Lembro a vocês para deixarem seus comentários com sugestões e ideias para os próximos artigos; e se querem uma parte 5 desta série e sobre qual tema deveria ser abordado, beleza? E desde já, agradeço a todo apoio que vocês deram nos três artigos anteriores. Muito obrigado. Mas sem mais enrolação, vamos para mais uma análise.

Nos últimos 5 ou 6 anos, vivenciamos uma grande mudança no modo de assistirmos conteúdos na internet brasileira e no mundo. A chegada de serviços como a Netflix no mercado, proporcionou as pessoas a personalização de escolher o que assistir, quando e onde quiser, algo que se difere e muito da TV aberta, onde temos uma programação com as mesmas coisas, sem nenhuma alteração brusca que possa atender a este público novo e a TV por assinatura, que por mais que tenha muitas opções e ser segmentada de acordo com interesse dos assinantes, ainda sim, não proporcionou a praticidade e a mobilidade que os serviços possuem, pois como disse, você pode assistir quando e onde quiser e não precisa, necessariamente, de uma televisão para tal.

A grande característica dos streamings são a sua grande pluralidade de conteúdo, seja por possuir uma grande quantidade de obras, para atender a todos os públicos, seja destinado a um determinado público especificamente, o chamado público de nicho. E é justamente nesta parte que os animes entram. Com a grande escassez de animes na TV aberta e a súbita queda na TV por assinatura, o Streaming se tornou uma ótima válvula para a exibição desse tipo de conteúdo. A Netflix, por querer atingir a todos os públicos, principalmente o asiático com maior destaque para o japonês, começou a apostar em animes em seu catálogo. E a aposta se mostrou muito válida, e o feedback foi tão grande que ela, em 2014, co-produziu seu primeiro anime em conjunto com um estúdio japonês: Knights of Sidonia. Mas a receptividade não se deu somente pela chegada de animes no catálogo da gigante americana de streaming, mas sim pela localização e dublagem em português. Isso foi motivos de grande comemoração e aplausos por parte do grande fandom de animes aqui no Brasil, pois estávamos carente desse conteúdo por aqui.

Além disso, uma grande aposta feita pela Netflix foi Nanatsu No Taizai, que chegou em 2015 em seu catálogo e fez um grande sucesso com o público, não somente pela história mas também pelo ótimo trabalho feito pela dublagem, realizada no estúdio carioca Alcatéia. Com o grande sucesso de Nanatsu, outras obras foram sendo adquiridas pelo serviço, para expandir ainda mais este tipo de conteúdo. Entretanto, muitas escolhas nem sempre caem no gosto dos fãs, mas não no sentido de aquisição e sim no de dublagem. Em muitas delas, a qualidade ficou bem obsoleta e bem ruim se comparadas a outras, e isso resultou em muitas críticas por parte dos assinantes para com a plataforma. Para ficar por dentro do assunto, basta ler a um outro artigo aqui no site.

Em 2012, é lançado aqui no Brasil um serviço dedicado 100% ao público otaku e que faria “concorrência” com a Netflix no quesito de animes: a Crunchyroll. Isso foi um grande marco na época, já que o site era conhecido pelo público que frequentava fansubs na internet, mas por conta de bloqueios por região, muitos animes disponíveis por lá não poderiam ser assistido por nós brasileiros. Mas com a chegada oficial aqui no Brasil, esse problema acabou. E ter um grande catálogo vasto de animes, com legendas em português, foi um grande passo para a consolidação da Crunchyroll no Brasil. Porém, ainda faltava uma coisa que os fãs sempre pediram: a dublagem em português. E foi atendida, com uma leva de três animes dublados pela plataforma, porém assim como aconteceu com a Netflix em muitos casos, as escolhas de estúdios foram de uma qualidade ruim, para não dizer péssima. E isso foi alvo também de grandes críticas do público (apesar de algumas pessoas influentes passarem a mão na cabeça disso, mas isso não vem ao caso). Porém, diferentemente da Netflix, as críticas foram ouvidas pela Crunchyroll e os animes sequentes passaram a ser de boa qualidade e com dubladores de grande renome no cenário brasileiro. E isso atraiu mais o público para a plataforma.

Agora vocês devem estar se perguntando: “Mas Éder, e a pirataria? Eles não tiveram a sua importância? Vocês não vão falar da polêmica com a Crunchyroll?” Claro que vamos falar e na minha visão não há polêmica e serei breve e sucinto na resposta. Os sites de fansub e piratas de animes tiveram sua grande importância no mercado, principalmente pelo hiato do conteúdo licenciado que tivemos no Brasil. Eu já assisti muito conteúdo em sites piratas, porém em tempos de Netflix, Crunchyroll, Hidive e Amazon Prime Video, disponibilizando todo o tipo de produto para os usuários de maneira bastante acessiva e com preços muito mais em conta, não há desculpa para as pessoas não assinarem e terem esse serviço disponível para assistir. O grande problema é que as pessoas não pensam no macro e sim no micro. Se uma empresa paga para ter licença de determinados animes e investiu um dinheiro nele, ela está no direito de exigir que os sites retirem todo seu conteúdo de lá, até por que esses sites não pagaram para ter a licença de exibir esses animes. E ponto. Um outro ponto é que algumas pessoas falam: “Ah, mas é caro, eu não quero pagar.” Pois bem, as mesmas pessoas que acham o serviço caro, deveriam achar caro as saídas do final de semana. Deveriam achar caro comprar roupas. Deveriam achar caro adquirir um tênis. Acho isso uma hipocrisia muito grande. Só é caro aquilo que é menos importante para mim. Fala sério né.

É lógico que assinar todos os serviços de streaming que possuem o que lhe interessa pesaria no bolso, porém, a concorrência é uma grande aliada do mercado, uma vez que tendo isso, as empresas vão “brigar” para nos fornecer o melhor material possível e isso é ótimo para nós consumidores. Na minha visão, o futuro dos animes no Brasil está sim nos streamings, visto que é um mercado em franco crescimento e que possui preços acessíveis a todos. E isso é uma ótima notícia para todos nós que estávamos órfãos desse tipo de conteúdo. Estamos vivenciando um grande boom de animes por aqui, com muitas obras sendo dubladas, umas com grande qualidade e outras nem tanto, mas que ao ponto de vista mercadológico e de popularização, fazem seu trabalho muito bem.

Em 2018 a indústria japonesa nos proporcionou excelentes animações, e esperamos que 2019 seja tão grande quanto no ano passado.

*As opiniões expostas pelo autor do artigo não necessariamente refletem a opinião do ANMTV.

Comentários
  • Camilo Lelis Ferreira da Silva

    Finalmente, A Melhor Parte do Artigo da Melhor Série de Reportagens pelo site…

    • eder rodrigues da conceição

      Obrigado pelo elogio Camilo.

  • Camilo Lelis Ferreira da Silva

    Agora, para coroar, só falta uma Parte 5, com a Detalhada História da Era “Pré-Cavaleiros”/Antes de 1994…

    • Anderson Lazarin

      Na verdade coisas como A Princesa e o Cavalaleiro ,Fantomas e Sawamu fizeram tanto sucesso quanto CDZ em épocas antigas,só que naquela época não havia brinquedos ,mangás ou(obviamente) fandom na internet.

    • eder rodrigues da conceição

      Quem sabe haha

  • Um certo Caio vai ficar muito pistola lendo esse post…
    Enfim, streaming é algo muito bom e vale a pena. Preço não é algo lá muito problemático, a maior parte do catálogo do Crunchy é gratuito (seja com anúncios ou não) e não é difícil de achar algum amigo ou parente que assine Netflix e provavelmente compartilhe conta com você.
    Agora, quando se trata de assistir “daquele jeito”, eu nem julgo quem faz tal coisa. Eu mesmo tenho feito isso de vez em quando (principalmente quando o anime não está disponível oficialmente em nenhum catálogo), porém quando tal site age de forma desonesta (ex.: sites cheios de anúncios, legendas roubadas geralmente de streamings oficiais) aí sim faz sentido ele ter sido derrubado. Aí não dá pra ficar passando pano pra esse tipo de gente.

    Enfim, a era do streaming demonstrou bastante que é possível sim assistir anime de uma forma mais tranquila e acessível (principalmente com o método dos anúncios), mas os canais de TV em geral (não contando minorias como a Rede Brasil) deveriam demonstrar melhor isso novamente também, como acontece com o Toonami nos EUA ou com o ETC TV do Chile. Quando os canais não demonstram querer investir forte no meio e basicamente só termos o Crunchy e a Netflix como maior fontes disso, realmente a frase “streaming é o futuro” começa a fazer sentido.

    • Pégaso

      Um site que gosto muito e não tem propaganda é o anbient só que os animes são reencondados em qualidade inferior, mas pelo menos mostrado o fansub responsável pela tradução permitindo baixar direto do fansub em boa qualidade (se o fansub existir ainda).

    • eder rodrigues da conceição

      Infelizmente, a era dos animes na televisão já acabou e é bem difícil que volte. Sendo assim, os Streamings se tornaram uma grande opção para o mercado de animes, por aqui.

      • Elias AinsWorf

        O resquício que temos de anime em tv aberta são o Verão Animado atualmente na parte da manhã e à noite o Cruncyroll TV

        Embora seria interessante o Verão Animado ter mais animes como Pokémon, Yokai Watch, Bakugan, Screechers Wild , Yu-Gi-Oh Vrains e Monsuno trariam um novo ar ao bloco que atualmente está nas reprises

    • Elias AinsWorf

      Vamos ver quando o Funimation Now, GloboPlay e Play Plus começarem a adquirir animes para suas plataformas vai ter ainda mais concorrencia ainda mais se disponibilizarem dublagem para aqueles legendados da Netflix e Amazon por exemplo

      • Thomas

        Globo Play trazer animes ? Isso não é sonhar um pouco demais ?

        • Elias AinsWorf

          Pode até ser viajem ou sonho da minha cabeça como a maioria acha , mas a alGuns anos atrás eu disse que a Cruncyroll algum dia iria dublar animes e que beyblade iria voltar a tv aberta e todos não acreditaram então. ….

          Só que ainda acho que a aquisição de animes pelo GloboPlay ainda demore um pouco, mas assim que eles tiverem um catálogo recheado de séries terá sim a possibilidade de pintar algum anime dublado pro la e eles entende Muito de dublagem de qualidade e manda para estúdios Topa, por isso eu gostaria muito que eles peguem tipo SWord Art Online, Jojos Bizarre Adventures, Fairy Tail, Tokyo Ghoul, Steins Gate etc etc .

        • Elias AinsWorf

          Olha a GloboPlay nos trazendo de início Digimon Universe App Monsters e Yu-Gi-Oh Zexal com dublagem Carioca já ficarei muito feliz e com certeza assinaria o serviço seria muito maneiro .

          Depois que estes fizerem sucesso a GloboPlay poderia tentar trazer SWORD Art Online, My Hero Academia TV, Jojos Bizarre Adventures e Attack on Titan dublados sei lá de uma parceria com Funimation e Viz Media, ainda pode demorar um pouco mas não duvide que possa acontecer

          • Thomas

            A Globo não lança mais animes há muito tempo, a desconfiança é grande dela fazer isso ou não.

          • Elias AinsWorf

            Mas no GloboPlay teria como por anime e ainda sem censura já que é streaming

          • Thomas

            E a Globo iria colocar animes tendo as novelas e séries que passa e ganham muito com isso, para colocar animes que comumente são caros ?

            Não é impossível, só é muito difícil.

  • Lebowski

    Belo artigo, Elder. Julgo esse a melhor parte dessa série de textos sobre os animes do Brasil. Além disso, fico muito feliz com essa nova popularização dos animes no Brasil, tendo em vista que esses estão sendo lançados em plataformas cuja exibição fica à mercê do telespectador, e não de emissoras que fazem um trabalho porco exibindo – os em horários pouco acessíveis ao público (Cartoon Network com Dragon Ball Kai) ou censurando – os (SBT com Naruto).

    E também tenho que concordar contigo sobre a questão da suposta ”inacessiblidade” da assinatura Premium do Crunchyroll. Infelizmente, a relativização dos gastos pessoais é algo muito comum em nosso país, assim como a pirataria. Prova disso foi que ontem eu contei para um amigo meu sobre o preço da assinatura Premium, e mesmo falando sobre as vantagens (simulcast, HD, sem propagadas, animes dublados e biblioteca de mangás), ele achou caro o acesso pelo preço de R$ 25, sendo que ele acha completamente normal gastar o dobro disso com cartas usadas de Magic The Gathering.

    • eder rodrigues da conceição

      Obrigado pelo elogio Lebowski. E agradeço por ter gostado tanto dos meus textos. E sobre os gastos, tudo é questão de ponto de vista. Se a pessoa tem dinheiro para gastar em outras coisas num final de semana, pode muito bem pagar por mês, um serviço de streaming. O engraçado é que o pessoal acha caro, mas para outras coisas não é. Enfim.

  • Gabriel Arruda

    O Streaming foi a salvação de nós fans de anime.

    • Ryukendo

      Por causa deles que Black Clover e RE: zero estão aqui.

      • eder rodrigues da conceição

        Pois é. Parece que as pessoas não entende a importância que isso têm.

        • Ryukendo

          pois é, as vezes eu acho que a relação entre brasileiro e inteligencia e igual a relação ”água e óleo”.

        • Ryukendo

          Não mesmo.

    • eder rodrigues da conceição

      Com todas certeza foi e ainda é.

  • ABC

    Estou de pleno acordo que o futuro das animações é na internet, e os Fansubs foram essenciais para mostrar isso às produtoras.

    Agora ou o Crunchyroll muda esse preço do Premium ou vai morrer, é mais caro que prime video e Netflix e oferece produto de nicho. A melhor saída é a AT&T adquirir a Oi e ofertar pacotes de internet com o crunchy embutido.

    • Eduardo

      Difícil ela comprar a Oi

      • ABC

        A AT&T teria que se livrar da participação dela na Sky depois de adquirir a Warner (nem sei que fim levou essa história), o ideal para ela seria entrar no setor de telefonia/internet, e a Oi é a única que já tem infraestrutura e está pedindo socorro (Tim, Sky e uma chinesa estão de olho).

    • eder rodrigues da conceição

      O povo também tem sua voz. Pelo com a Crunchyroll, as grandes reclamações foram ouvidas, principalmente na dublagem de animes. Então a reclamação se faz necessária, a partir do momento que você não compactua com a situação.

  • Luciano Gomes

    Perfeito!
    Sou assinante da Crunchyroll, desde 2015 e não me arrependo.
    Ainda têm seus problemas com catálogo (sobretudo animes mais antigos) mas em compensação, têm investido bastante em dublagens de qualidade e na co-produção de animes (o “Herói do Escudo”, dessa temporada, é um deles).

    Mas compreendo quem não têm condições de assinar serviços de streaming ou buscam nos fansubs animes que não estão disponíveis nessas plataformas.

    • eder rodrigues da conceição

      O ideal é que todos possam prestigiar o correto e ajudar a indústria a prosperar e termos mais animes. Porém, também entendo o quanto para muitas pessoas, que não tenham condições para ter.

  • Eduardo Jose de Andrade

    A CR está certa sim, teve até grande fansub que fizeram acordo com ela e por isso não teve site apagado, disseram que não iam postar mais animes dela e sim aqueles que não têm legalmente no Brasil (agora se vão postar animes dos outros serviços de streaming são outros 500), mas quem quer comprar algo faz o impossível ser possível sim, 25 R$ por mês (melhor assinar 3 messes seguidos por 70 R$ né) não é um sacrifício, só tu gastar menos com comida ou bebida etc, cada um sabe as contas que paga, netflix mensal o mais básico é 20 R$ ainda, só tu ver se na CR tem os animes que você quer mais ver.

    • Pégaso

      Mas o app para Android TV deles é horrível e bugado! Ainda bem que existe addon para o Kodi.

  • Eduardo Jose de Andrade

    Streaming é o futuro dos animes mesmo, no Brasil infelizmente só alguns animes consolidados como CDZ e Dragon Ball que ainda dão audiência, ms o esforço e parceria da CR com Rede Brasil é uma boa vitrine pra CR, o lucro dos animes no Japão diminuiu com os anos no merchandising e etc, a grana do streaming de exportação que tá ajudando a pagar as contas de novos animes sendo produzidos, pirataria sempre vai ter mas hoje estão baratos de assinar sim, só você por exemplo separar 1 mês só pra ver animes do streaming X e assim se ver tudo que quer, não assina mais uai, fora as produções originais de serviços (ok, só a Netflix se destaca nisso ainda).

  • will

    Concordo contigo no quesito de q cada um tem uma situação financeira diferente e pra poder se alimentar e ter onde dormi n pode pagar por um serviço de STREAMING ou vários. Eu acredito q quem tem condições de pagar por um serviço desses, ajuda bastante a industria de animes no BR e quem n pode se vira acompanhando nos sites piratas(q cá entre nos morre 1 nasce 2). Agradeço a compreensão.

    • eder rodrigues da conceição

      A questão financeira de cada um, não cabe a min falar. Porém, se você gastar 100 reais numa noite, pode muito bem pagar 30,40 ou 50 reais por mês. O problema é que aqui no Brasil, o errado é o certo para muitas pessoas. Não estou tirando o mérito dos Fansubs que tem grande importância numa época onde não tínhamos opções de animes na televisão, mas se você não sabe, eles também ganham dinheiro em cima desses animes que estão lá, mesmo que indiretamente.

      • Elias AinsWorf

        Eder estou torcendo que o Funimation Now e GloboPlay tragam muitos animes e se tiver dublagem de qualidade no Rio de Janeiro com certeza assistirei e pagarei com gosto estes para por exemplo ver Sword Art Online, Jojos Bizarre Adventures, Fairy Tail e My Hero Academia todos com dublagens decentes

    • Pégaso

      Crunchyroll tem conta Grátis com resolução 1080p mas com propagandas (propagandas das próprias séries no Crunchyroll, me pergunto como eles lucram com isso?)

  • will

    Gostei da serie matérias, acabou trazendo mas reflexões sobre nosso cenário de animes.

    • eder rodrigues da conceição

      Obrigado Will. É bom ver que puder contribuir para maior entendimento dos fãs de animes aqui no Brasil.

      • Elias AinsWorf

        Suas matérias são excelentes já sou seu fãn e ficarei no aguardo da parte 5

  • pablo souza

    Mas realmente,se você tem idade,um cartão e ganha um dinheiro,o que custa gastar menos com aqueles doces e salgadinhos do final de semana ou então com festas? Além de evitar gastos desnecessários, você cuida da sua saúde e contribuiu para que empresas como o CR tragam mais animes dublados,ajudando esse mercado.
    Depois reclamam que não vem anime dublado ou que os animes(tirando os “modinhas” )são pouco conhecidos no Brasil…

    • eder rodrigues da conceição

      Exatamente isso Pablo Souza.

    • Léwow

      Não vou pagar e não tô nem aí

  • Thomas

    É sério que tão com esse argumento de bebida, comida e cinema ?

    Em pleno século XXI, aparentemente socializar saiu do dicionário de muitos. Socializar e interagir com outros homens se trata de uma necessidade do homem e bebida, comida e cinema são uma dessas formas, assistir programas sozinho em casa, não.

    Em tempos que um mangá é 22 pilas e mangás como Citrus, Neverland e Made in Abyss saem, que dinheiro sobra para assinar streaming ?

    • eder rodrigues da conceição

      Eu nunca disse aqui, que você tem que deixar de botar comiuda em casa ou deixar de priorizar gastos de casa com o streaming. Eu argumentei que se você possui granar para gastar 100, 150 reais numa noite ou num final de semana, é sinal que tu tem grana sobrando, e que poderia muito bem,pagar um serviço de streaming por mês. E reclamar que determinada plataforma pediu para retirar seus animes do catálogo de sites piratas, acho sim que você deveria pesquisar mais sobre o que é correto e ilegal. Faz direito, que você vai entender.

      • Thomas

        100 a 150 em uma noite ou final de semana já é demais. Eu não tinha falado nada sobre ilegal ou não pedir para retirar conteúdo da empresa. Eu mesmo quando vou num cinema gasto no máximo 40, para lanchar pago no máximo uns 50 em um rodízio e afins, para beber eu racho e no máximo já gastei 60 em uma festa de carnaval. Quem gasta esses valores que você mencionou não tem desculpa.

        O meu caso é meio diferente, hoje mesmo fui comprar os 5 volumes de Soul Eater Not, foi uns 63 reais só nisso. Eu priorizo a compra de mangás e nele não sobra dinheiro.

  • Maruseru Play

    A comunidade otaku precisa entender que assinando a Crunchyroll está ajudando a industria de anime e mais temporadas começam a ser produzidas e dublagens de boa qualidade serão feitas. Além é claro muitos mangás de boa qualidade podem a vir serem adaptadas como Vagabond.

    • eder rodrigues da conceição

      Pois é Maruseru. É uma coisa que todos, fãs de animes precisamos entender.

  • eder rodrigues da conceição

    É sério que tu vai comparar o que é ilegal perante a lei do que o correto? Precisa se antenar mais meu amigo.

  • Noir Fleurir

    É verdade que as legendas do Crunchyroll deixam a desejar? Vi muita gente dizendo isso quando o Crunchyroll tirou os sites do ar. Para mim, mesmo os melhores fansubs br fazem um serviço bem meia-boca.

  • Mônica Azevedo

    Se você não pode ajudar com assinatura fixa, tente comprando volumes de mangas/light novels das obras que vcs gostam de pouco a pouco. Também e uma forma de ajudar a industria.