Divulgação. © Marvel Studios

Este texto contém spoilers.

Sendo a última produção com o selo Marvel antes do aguardado Vingadores: Guerra Infinita, a expectativa para Pantera Negra (Black Panther) não baseava-se apenas nisso, mas na emoção em estar indo ao cinema ver um filme com um elenco totalmente composto por afrodescendentes e vê-los em posições importantes. É certo dizer que o primeiro vislumbre de Wakanda numa sala de cinema é épico como deveria ser.

Divulgação. © Marvel Studios

Prosseguindo os eventos de Capitão América: Guerra Civil, T’Challa (Chadwick Boseman) agora é o rei dos Wakandanos e precisa não apenas honrar seu falecido pai, mas também estar diante de sua nação e provar a ela que está pronto para ser um rei e, assim como nos quadrinhos, o arqui-inimigo do herói é Ulysses Klaw (Andy Serkis), o contrabandista chamado de Garra Sônica, que já havia sido apresentado em Vingadores: Era de Ultron e que retorna como nas histórias da Marvel, sendo um grande inimigo de Wakanda antes mesmo de T’Challa se tornar o Pantera Negra.

Novamente numa direção inspirada como em Creed: Nascido para Lutar, o diretor Ryan Coogler não poupa esforços e traz uma Wakanda grandiosa, repleta de diferentes tribos e principalmente, colorida. Quanto as cenas de ação, toda a sequência na Coréia do Sul se destaca, pois é o mais próximo de uma cena memorável. Coogler consegue criar trechos empolgantes na sequência do cassino, enquanto sofre quando tenta fazer batalhas mais carregadas de efeitos especiais em Wakanda.

Divulgação. © Marvel Studios

O figurino do longa é extremamente fiel ao que Jack Kirby criou para o personagem e que conseguimos ver de forma semelhante no terceiro filme do deus do trovão, Thor: Ragnarok , porém aqui numa escala maior. Seria injusto o longa ficar de fora do Oscar nessa categoria, porém o maior trunfo de Pantera Negra é ser provido com o melhor elenco do universo cinematográfico da Marvel.

Chadwick Boseman retorna como T’Challa trazendo novamente consigo um personagem que a cada filme está amadurecendo, colocando sua moral em jogo e sempre buscando fazer o certo. Se nos eventos em Guerra Civil, T’Challa sofre pela perda do pai e tenta vingá-lo, descobrindo o motivo real que levou Zemo a mata-lo, aqui ele assume e lida com um erro que seu próprio pai cometeu há anos atrás.

 

Divulgação. © Marvel Studios

Ao lado do rei, sua irmã Shuri (Letitia Wright), sua dora milaje Okoye (Danai Gurira) e o deslocado Everett Ross de Martin Freeman, é o mais próximo de um alívio cômico que o longa tem, mas sempre muito bem situado e principalmente pelo timing das atrizes. É contagiante ver o quanto a presença feminina também é importante em Pantera Negra, seja sua irmã, sua guarda real, ou sua amada Nakia (Lupyta Nyong’o).

O primeiro grande dilema de T’Challa é justamente confrontar Klaw por ser um antigo carrasco de sua família, algo que na visão dos demais Wakandanos, é um erro que não deveria continuar existindo. E é nesse pequena falha que ocasiona um colapso dentro de Wakanda quando Erik Killmonger ( Michael B Jordan), aparece no país com o Garra Sônica capturado e diz ser de linhagem real, sendo filho do irmão de T’Chakka e , consequentemente, primo de T’Challa.

Killmonger, que se chama Erik Stevens, é um garoto da Califórnia que cresceu sem o pai devido o mesmo ter traído o rei, mas não num conflito maniqueísta; o irmão do rei é  N’Jobu, um war dog. Wakandano que assim como vários outros, se infiltra dentro de um país a favor do rei T’Chaka e que ao entrar em contato com a realidade da américa, percebe que enquanto sua terra natal está sendo egoísta ao viver sob às sombras escondendo tecnologia do mundo, as questões raciais nos demais países são bem diferentes.

Divulgação. © Marvel Studios

T’Chakka mata o seu irmão e abandona Erik, escondendo a verdade de sua nação. A motivação por parte de Killmonger é totalmente compreensível. O vilão é um embate físico e também ideológico para T’Challa, mas apesar disso, o personagem jamais se assemelha a algo que o expectador possa torcer para ele como se fosse uma espécie de anti-herói. Pode-se dizer que isso se deve a uma interpretação afiada de Michael B Jordan, que compõe um personagem extremista e impiedoso.

Numa jornada emocionante para o protagonista e principalmente para seu antagonista, se há algo que Pantera Negra não consegue fazer, é quando tenta se assemelhar a um filme de super-herói convencional. Mas isso acaba sendo um defeito muito pequeno diante do marco que o diretor Ryan Coogler faz em sua projeção.

A produção mais diferente e mais importante de todo o Universo Cinematográfico da Marvel.

  • SaintARMOR

    O filme é legal, melhor que Thor e outros filmes de Super Herói da Marvel. Para quem for assistir, meu conselho é que não se deixem levar pelas críticas, pelas militâncias ideológicas da internet e nem outras polêmicas que tentam captar a imagem do filme.
    Ignorem tudo isto, e assistam o longa pelo que ele é.

  • Rafael Nogueira

    Muito bom o filme, não esperava menos, Pantera Negra é um herói importante na Marvel e merecia um filme digno como esse :-)

  • will

    Adorei o filme, me senti muitissimo representado e recomendo.

  • Vítor Marra

    Você está me dizendo que o Pantera Negra, super herói criado por Jack Kirby e Stan Lee na era de prata dos quadrinhos, a era em que transformaram os super-heróis em figuras complexas vivendo conflitos em alguma medida próximos da realidade dos leitores, não é um personagem criado para representar disparidade social e fortalecer lutas sociais de minoria? Hum.

    Há várias maneiras que eu poderia contrariar esse seu comentário estúpido e inútil, mas eu só vou mencionar o que o Michael B Jordan, vilão do filme, disse sobre o trabalho que ele fez :

    “A ideia era fazer as duas coisas ao mesmo tempo: um filme de aventura com cenas de ação inovadoras, passadas inclusive no projeto habitacional, mas também tratar de temas que são importantes para nós. Killmonger é um vilão com um passado, ele tem motivos para a revolta social e política que acaba sendo o centro da história. Isso também é inovador, ele sofre com a opressão sistêmica do modelo social americano. O combustível da raiva dele é explicitado de uma forma propositadamente expansiva. Creio que a trajetória dele é similar à de pessoas oprimidas em outras realidades, como o Brasil”.

    • Vítor Marra

      Curioso você falar em realidade, quando o próprio comentário do ator discorda da bobagem que você tá falando hahahahh

      • Vítor Marra

        Quem está ”reduzindo” a trama? meu primeiro comentário foi justamente constar o grande significado desse filme alegando ser para todos e por todos. Você fez um comentário reaça para desmerecer isso e quando tive que ser didático para lhe mostrar,fugiu ainda mais do assunto.Porque não pesquisa a respeito de Ryan Coogler e porque ele foi escolhido pra esse filme? amigo,não perca seu tempo tentando parecer dominar o assunto,você não sabe de nada.

    • SaintARMOR

      Entendo que as respostas abaixo (incluindo minhas refutações ao camarada) tenham sido apagadas pelo fato do site querer evitar temas polêmicos nos comentários, mas tinha que deixar logo a resposta dele como última?

      Quer dizer, por mim, ou apaga-se todos os comentários polêmicos, ou deixa-se todos os comentários polêmicos a vista.

  • Icaro Felipe

    Post reservado pra aquele fã chato da Warner vir chamar o filme de superestimado sem nem ter assistido

  • SaintARMOR

    Ah, agora eu vi que o autor do texto também é quem discutiu abaixo comigo. Não conhecia este novo redator do site. Devo dizer que é muito honesto moderar em causa própria e deixar visíveis apenas os próprios comentários, fingindo ganhar o debate na base da força.

    • Vítor Marra

      Fingindo ganhar debate na força? CARA, o que fiz foi excluir tanto os meus comentários e os seus porque claramente estavam desnecessários pro post. Você além de ter feito vários, totalmente sem nexo e com viés reacionário, vem cagar regra num texto meu,criticando uma suposta ”militância”, quando você está fazendo exatamente o mesmo.Tem sorte de não levar ban. Agora aprenda a comentar normalmente.

      Ah, curioso me chamar de ”redator novo” quando a maioria das critícas
      publicadas aqui são minhas hahahh isso só demostra que não está nem um pouco interessado em ler o que tenho a dizer e já vem aos comentários com intuito de criar baderna. Típico.