Brasil é único país latino a assinar acordo internacional audiovisual

Por Gabriel Fernandes em

Copa Studio / Glaz / Divulgação

O Brasil será o único signatário da América Latina no acordo internacional de cooperação e coprodução audiovisual. O objetivo é o desenvolvimento do mercado audiovisual, facilitando e incentivando propostas de coproduções internacionais. O acordo será assinado no domingo (14) em Cannes na véspera do MIPCOM 2018, maior mercado de entretenimento do mundo, como informa a colunista Cristina Padiglione (via Telepadi).

Austrália, Bélgica, Canadá, Cingapura, Coreia do Sul, Croácia, Estados Unidos, França, Índia, Itália, Nova Zelândia, Portugal e Reino Unido juntam-se ao país no acordo. O projeto desenvolvido pela Aliança de Produtores e Televisão do Reino Unido tem apoio da BRAVI (Brasil Audiovisual Independente) através do programa de exportação Brazil Content, e Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos).

Nessa edição, a delegação brasileira soma 41 empresas com 52 representantes. O maior estande é o da Globo, mas SBT e Record também marcam presença, e a TV Cultura tem seu espaço integrado ao quintal das produtoras independentes. O país apresenta maior diversidade de séries e longas independentes esse ano, com uma forte presença de documentários.

Outro segmento que cresceu expressivamente foi a animação. Esse ano são 46 projetos formatados e 35 em busca de parcerias ou financiamento de coprodução e distribuição internacional. Animações de sucesso marcam presença no evento, como O Show da Luna e Galinha Pintadinha (com a nova série Galinha Pintadinha Mini). A Glaz Entertainment apresenta suas animações de sucesso, Historietas Assombradas e Tromba Trem, e seus projetos em desenvolvimento, Giga Tuiga e Ico Bit Zip. Já a Boutique Filmes (3% da Netflix) apresenta Papaya Bull.

Comentários
  • Camilo Lelis Ferreira da Silva

    Precisamos saber mais sobre esse acordo internacional de animação e ver se é realmente bom pro Brasil…

    • Dyel Dimmestri

      Eu acredito que sim… Pois este acordo visa a facilitação na produção de filmes, séries e animações, junto com produtoras estrangeiras. A troca de experiências com estúdios internacionais,com a expertise deles, será benéfica para o mercado Audiovisual brasileiro, principalmente no campo da animação. Com isso poderemos chegar a um nível de excelência tal, que não ficaremos nada a dever aos dois maiores pólos de animação do mundo:os EUA e o Japão. Isto também trará benefícios para o mercado de trabalho;não precisaremos mais viajar para o estrangeiro para buscar conhecimento. Não nos espantaremos nem um pouco, se um dia a CalArts decidir abrir uma unidade aqui no Brasil. Isso sem falar que poderão surgir mais e mais cursos técnicos de animação, tanto particulares quanto públicos.

      • Mauro

        Obrigado amigo.

    • toygame lan
    • Lex Taka

      Gente assistam esse video sobre a relação nepotista na industria da animação americana e como eles estão basicamente destruindo a industria por causa de meia duzia de amigos, inclui o pior de todos o criador de gravity falls alex hirsch que contratou todas as pessoas com quem dormiu para trabalhar em gravity falls e deixou de uma forma tão ruim que tiveram que contratar pessoal de outras produtoras para fazer seu trabalho .
      watch?v=GJMHDGT629c

  • Simeone Silva

    Dá um certo medo quando o titúlo diz “BRASIL É ÚNICO PAÍS LATINO” a fazer algo!!! a idéia que passa e que ou a gente tá sendo pioneiro em algo muito bom ou a gente ta fazendo merda…!!!

    • toygame lan

      é o unico que vai assinar,os outros estão estudando ainda a proposta

  • Dyel Dimmestri

    É como eu sempre digo: NÃO ADIANTA RESISTIR… OS DESENHOS BRASILEIROS ESTÃO TOMANDO CONTA!!!

  • toygame lan

    Dei uma olha na net e não achei o acordo completo,mas de não acho que vai ser coisa boa.
    Tudo que tem haver com agencia reguladoras como ANCINE,é só para cartelizar o mercado.

    • pablo souza

      Só de ver o nome Ancine já começo a sentir urticária na pele.

  • pablo souza

    Dei uma olhada no acordo e não achei-o muito bom. Sempre com aquelas exigências da Ancine… Quando será que vamos nos livrar desse órgão que só pega dinheiro e não faz quase nada?

  • Eryk Oliveira

    Isso é muito bom!

  • yan jim

    Já não é de hoje que o país possui alguns títulos de expressão na faixa pré-escolar, mas, por outro lado, a faixa juvenil está largada as traças desde sempre. Não que eu espere grandes coisas, mas parece que a visão geral do mercado brasileiro para com animações é a de que só são interessantes pra quem engatinha e usa frauda.

    • Dyel Dimmestri

      Não é tão grave assim… Vale lembrar que já existem produções brasileiras de apelo mais infanto – juvenil, como “O Irmão Do Jorel”,”Oscar”, “As Aventuras De Fujiwara Manchester”, “Glitter Model”, “SOS Fada Manu” e “O (su)real Mundo de Any Malu”, entre outras. Sem contar as produções voltadas ao público adulto, como “Angeli The Killer”, “Tosco TV” e, mais recentemente, “Super Drags”. Acredito que as produtoras nacionais foquem mais em produções para o público pré – escolar, por que tais produções são mais fáceis de serem vendidas para o mercado externo. Agora, a dúvida é se tal atitude é uma questão de conformismo ou de preguiça…

  • Geo Hikari

    Desnecessário a criação desta união,pois por muitos anos muitas produtoras de animações pelo mundo já trabalham para outras com maior orçamento. EUA é o maior idealizador,desde os anos 80 com aqueles desenhos famosos que chegaram a ter sul-coreanos produzindo parte daquelas series.

  • Eduardo Jose de Andrade

    Sementinha de futuras grandes animações brazucas, vão vendo…….