O Curioso Caso de Kabaneri da Fortaleza de Ferro

Por Matheus Chami em

Wit Studios / Divulgação

Nesta semana, fomos surpreendidos com a chegada de Kabaneri of the Iron Fortress (Kabaneri da Fortaleza de Ferro) ao catalogo da Crunchyroll, o que levantou certos questionamentos e dúvidas sobre como o mercado vem agindo com certas obras e lançamentos pelo mundo.

E com isso, montamos um vídeo debatendo sobre o assunto e nossas especulações sobre o que viemos acompanhando sobre a franquia do Wit Studios (Ataque dos Titãs, Vinland Saga) e do que isso pode acarretar para um futuro próximo. Assista:

Lembrando que o anime pode ser assistido na Amazon Prime Video e a partir do dia 1° de novembro na Crunchyroll, já seu longa-metragem se encontra apenas na Netflix.

Comentários
  • Eduardo Jose de Andrade

    Uai quando eu quis rever shingeki no kyojin antes da temporada 2 estrear, a temporada 1 não tinha no site (e teve depois que a 2 já tava no meio da exibição) e tive que usar o piratão infelizmente, mas acho que infelizmente isso pode continuar: fragmentar as temporadas ou filmes de animes, e quem dera se fossem filmes spin-offs ou fillers, mas serão filmes de continuação da temporada, aí é complicado.

  • Dark Leon

    Espero que a Cruncyroll traga a série de TV DUBLADA ano que vem

  • Na verdade, é até bem simples de entender. Dinheiro. O licenciante vendeu a obra pra quem chegou primeiro e pagou mais. Kabaneri foi o primeiro anime de 2016 que entrou no pacote “A Amazon comprou a noitaminA”, mas eles só compraram os direitos de streaming. A Crunchy comprou os direitos de Home Media e Merchandising logo depois da série acabar no Japão, só não podiam fazer stream. Se me lembro bem, mesmo quando Kabaneri entrou na FunimationNow legendado e dublado, só podia assistir quem tivesse comprado a versão física (não sei se isso mudou depois). Provavelmente, a CR já tinha pedido os direitos de streaming e o licenciante aceitou e estava esperando o contrato da Amazon acabar pra ver se renovava.

  • O investimento é muito alto. É mais barato comprar os direitos das obras.