Sony revela planos para produções e propriedades

Por Gabriel Fernandes em

Sony Pictures / Marvel / Divulgação

No início do ano passado, o presidente da Sony Pictures Entertainment, Tony Vinciquerra, revelou que a empresa se encontrava em uma situação em que ou crescia ou seria vendida. Desde então, reformulações foram feitas, como mudanças na administração e planos de uma maior integração com outros setores de entretenimento da Sony, como jogos e música. Uma dessas mudanças foi a contratação do ex-chefe do Hulu e executivo da Fox, Mike Hopkins, para assumir a presidência da Sony Pictures Television e em entrevista à Variety, Hopkins revelou os planos para o futuro da divisão de TV.

Hopkins revelou que a primeira parte da reformulação, que envolve cortar negócios infrutíferos em empresas de TV da Sony tanto domesticamente quanto internacionalmente, está quase concluída. Esses cortes envolveram demissões e reduções significativas em serviços como o Crackle, o streaming apoiado por anúncios da Sony, que será encerrado na América Latina, inclusive. Segundo Hopkins, a profundidade em que alguns negócios indo mal era surpreendentemente grande e que nem sempre era causado por má administração, em muitos casos eram questões de mercado. Ele citou exemplo do declínio do mercado de anúncios no Reino Unido na era pós-Brexit.

A Sony Pictures Television produz séries de sucesso como The Crown e The Good Doctor, mas a estratégia de Hopkins é produzir mais séries com menor orçamento. Ele pretende investir em produções para TV com mais cara de filmes independentes, assim tem uma sala de roteiristas menor, locações menos caras, e ao mesmo tempo, mantem um alto nível de qualidade e envolve talentos. Assim eles podem fazer uma série que geralmente custaria US$ 3 e 6 milhões por episódio, por um orçamento menor e mantendo o alto nível. Tudo para aumentar a garantia de lucro, já que no ano fiscal de 2017, a divisão representou menos de 12% da receita total e de 6% da operacional do conglomerado.

Depois do sucesso de Homem-Aranha no Aranhaverso, que foi aclamado pela crítica e ganhou diversas premiações, e de Venom, que obteve grande desempenho nas bilheterias, a Sony pretende investir mais no universo do Homem-Aranha, e isso inclui produções para a TV. De acordo com Tony Vinciquerra, eles têm conteúdo do universo do personagem planejado para os próximos sete ou oito anos. Então os mais de 900 personagens adjacentes ao universo do herói podem ser trabalhados na TV.

A Sony não planeja criar um grande serviço de streaming para suas produções, ao invés disso, a Sony prefere investir em negócios de nicho, como a Funimation. Analistas, como Steven Cahall, defendem que uma fusão da Sony com outros estúdios como Lionsgate e MGM, formaria um estúdio poderoso. Mas existe o lado positivo de se atuar independente, pois com grandes empresas montando seus serviços de streaming, a demanda de conteúdo aumenta muito, já que cada uma quer ter o maior catálogo possível, algo vantajoso para produtoras como a Sony.

Então para criar um universo compartilhado de séries do Homem-Aranha, a Sony deveria encontrar um parceiro. Hopkins revelou, inclusive, que não haveria problemas em a parceria ser com a Disney. Essa era uma importante questão, pois depois da compra da Fox da Disney, a Sony é o único outro estúdio que possui direitos de personagens da Marvel. Mas o presidente também revelou que esta não é a única opção que estão considerando.

Por fim, Hopkins falou sobre o conteúdo internacional, que é muito forte na empresa, pois a maioria de suas empresas de TV são internacionais, assim como quase 60% de suas produções para a TV. Ele vê nisso uma grande oportunidade, e demonstrou grande interesse em produzir conteúdo no idioma local para Índia, América Latina, Europa Central e Ásia. Seu foco é em produções que evidenciem estilos autênticos de narrativa de cada localidade, e que sejam relevantes para aquele mercado, citando como exemplo a série britânica A Very English Scandal. Segundo Hopkins, esse é um ponto muito forte, pois novos serviços como o Disney+ e o streaming da WarnerMedia na medida em que HBO, Netflix e Amazon já dominam mercado.

Comentários
  • Andre TR

    Eu to meio com o pé atras com algumas das decisões desse novo presidente da sony: A começar pelo plano deles com o homem aranha: é serio mesmo isso? conteudo para os proximos 7 ou 8 anos? parece que eles vão expandir o universo dele até ficar super saturado, e também será que eles vão conseguir produzir boas series com orçamento mais reduzido?

    • Seto Kaiba

      900 personagens do universo do Aranha que eles podem trabalhar? Sério isso? Acho que na minha mente não lembro de 900 personagens de todas as coisas que vi na vida.

      • Bruno Amaral Caires

        Eles esquecem que são 900 Personagens, mas nenhum deles é interessante sem o Aranha envolvido HAHAH.

        • Snow

          Sim mas os direitos do aranha estão com a Sony ‘-‘
          Então conta nesses 900 personagens
          A Sony so emprestou ele pra Marvel pra ela usar em qualquer filme em troca dos lucros de todos os seus filmes solos

          • Bruno Amaral Caires

            Mas já ficou claro que a parceria do cinema deve continuar, no minimo pra uma trilogia solo do aranha. E também ficou claro que a Sony não planeja misturar o Peter em outras coisas Live Action, só ver Venon, Morbius e Gata Negra da vida. Por isso nem espero nada dessa expansão de universo, pelo menos em Live Action.

      • Pablo Soares

        Lá se vai as chances de a gente ter um homem aranha descente como o primeiro :/

  • Sr. WB

    Concordo que Sony, Lionsgate, MGM e Paramount deveriam ser unir, se fundir ou fazerem alguma join-venture. Essa é a única forma de sobreviverem ao novo modelo de mercado monopolista e imperialista. Se continuar assim, no futuro, só haverão três grandes estúdios, Disney, AT&T/Warner e Comcast/Universal. Esses ‘menores’ precisam se unir e formar algo maior…